Enlutados


Olhos no chão,
desconsolo mútuo,
um minuto de mudez:
tributo ao assunto que morreu.

20 comentários:

  1. AAAAAAAAAAAAAAAAA, por que eu não fotografo tão bem assim? Você além de escrever maravilhosamente bem, tira ótimas fotos, meu parabéns!
    http://suete-r.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Até o luto, tu faz ser lindo.
    Saudações!

    ResponderExcluir
  3. E era um assunto tão bonito que daria pra prolongar por muitos céus. Mas, para ser ainda infinito dentro de toda a sua finitude, sua lente fez a gentileza de eternizá-lo.

    Que lindo... Eu acho que sempre que comento aqui me repito: que lindo. Tudo. Você é linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você que é, Jaya... Maravilhosa!

      Muito obrigada <3

      Excluir
  4. Seu dom com as palavras é, de verdade, surpreendente. Suas /poesias/ podem referir-se a diferentes temas, mas você sabe colocar, de forma exótica, mágica no que escreve.
    Eu tentei decifrar as duas últimas imagens. São asas de borboleta? 'u' Poxinha...
    ~~~
    Sinto uma enorme curiosidade sobre como é a faculdade de letras, e você combina as palavras de forma tão admirável, que aguça muito minha curiosidade sobre sua vida pessoal. Acredito que hoje todos tem a vida tão exposta que quando não há isso em alguém, é meio assustador.
    Qual é seu movimento literário preferido? E escritor? ♥

    Abraços. :3~

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Myunt :)

    Borboleta, mariposa... Acho que são de mariposa... Aquelas enormes que ficam na parede, sabe? Encontrei uma delas morta. É uma beleza melancólica, mas continua sendo beleza.

    Há tanto a falar sobre a faculdade de Letras...! O engraçado é que eu tinha uma imagem do curso antes de começar a fazê-lo, e criei outra depois. Uma melhor ainda, se você quer saber. A Literatura é muito mais abrangente do que eu pensava, e a forma de lidar com ela, na universidade, é muito diferente da forma como ela é ensinada na escola ou da forma como um leitor se relaciona pessoalmente com um livro. A gramática tradicional não é aquela maravilha toda, por sua vez; apesar de muito necessária para que escrevamos bom textos dentro de uma certa norma, ela é autoritária, exclui quem não a domina e se baseia em regras que não têm fundamento científico: são apenas convenção. Daí tem a Linguística, que nos traz mil perspectivas sobre a linguagem, perspectivas essas que são baseadas em estudos, em pesquisas.

    Falei brevemente sobre os três pilares do curso, mas sei que ficou confuso. Eu teria que fazer um post sobre isso, mas ainda estou muito "verde"; temo falar qualquer coisa que não diz respeito a "como a coisa funciona". Mas se você tiver qualquer dúvida particular, pode me mandar que eu respondo com o maior prazer!

    Sou bastante eclética em matéria literária, para ser sincera. É bastante comum que os últimos livros que leio se tornem meus favoritos... Gosto do romantismo, gosto do realismo... Gosto de fantasia. Gosto de uma porção de gêneros.

    Escritor é outra coisa complicada. Cada um tem sua genialidade focada num fator em especial: uns na linguagem, uns na criatividade, outros na crítica, outros na introspecção. Um dos que eu mais admiro (o que não significa que seja meu favorito, pois a verdade é que eu não tenho um) é Machado de Assis: a capacidade dele de transcrever pensamentos e sentimentos é extremamente original. Extremamente maravilhosa. O cara foi gênio.

    Abraços <3 <3

    ResponderExcluir
  6. Todo assunto é oblíquo um jeito de de si por precípuo falar a respeito.
    GK

    ResponderExcluir
  7. Eu fico meio constrangida quando não sei o que comentar. Parece até que eu estou desinteressada, mas é que seus posts, especialmente os que contem trechos curtinhos são completos. O que parece pouco de palavras, se completa em fotos. Como você disse na resposta de outro comentário, é uma beleza morta, mas não deixa de ser beleza.
    Sobre o pequeno verso, às vezes é até interessante quando o assunto morre, ambos focalizam nos olhos e respiram juntos. Conversando ao mesmo tempo não há essa conexão.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não fique constrangida, Sel: há muitas interpretações válidas (em qualquer literatura) e eu sempre vou amar seus comentários! E esse foi tão bonito que, no seu último parágrafo, eu tive um complemento para o próprio poema :)

      Abraços!

      Excluir
  8. Lariii. Mais uma vez: Bravo! ♥ Dá pra viajar nesse verso. E confesso ter acontecido comigo tantas e tantas vezes que nem sei dizer. Merece outro tributo só de pensar. Adorei.

    ACESSO PERMITIDO. ♥
    www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  9. Eu não sei o que comentar.... mas ocorre que estes versos me tocaram bastante (os reli muitas vezes) e me parece uma ofensa deixar esta poesia passar derpecebida. E ainda que eu não saiba exatamente o que falar, ao menos a "inexpressividade" fica de registro como um elogio ❤

    ResponderExcluir
  10. Já percebeu que é um momento tão pouco admirado? É tão mágico, quando o assunto acaba e a carcaça fica aparente. Quando é a pessoa que você ama, ouvir a respiração por telefone, por exemplo, ou com o rostinho perto, já é suficiente. Quando é estranho, os olhares, o toque, o que atrai a atenção, ou a reflexão sobre o ambiente. Enfim, sua descrição, suas imagens, não tem muito mais o que ressaltar. Completa como sempre, extremamente poética como sempre, tudo que você põe da sua forma soa incrível pra mim.

    Torno o comentário da Selma o meu, apenas AISUAHS ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Percebi, Kuroh... E concordo com você. Mas, às vezes, justamente pela carcaça ficar transparente, alguns silêncios incomodam um pouco; aqueles que parecem que dependem apenas de nós mesmos para terem um fim, como se a conversa não fosse feita por dois, mas por um.

      Muitos silêncios, contudo, me são bastante agradáveis. Eu sou mais quieta do que falante. Sou introspectiva.

      Achei seu comentário tão bonito... Mais poético que meu poema, se você quer saber. Obrigada. Obrigada mesmo ♥

      Excluir
  11. Versos profundos e que me tocaram suavemente. Complexo né?

    Adorei aqui.


    Beijos

    ResponderExcluir