Pequenina


Das mulheres que me habitam, só uma o amou: a pequenina, que abaixava os olhos e a voz quando dizia: “Ele é um cara legal”. Então corava, sentia-se boba, escondia-se, sumia por meses, por anos... Sumia e depois, crente de que enfim tinha a coragem de que precisava, voltava e se apresentava às companheiras de alma com um discurso longo e persuasivo sobre seu ponto de vista.

Coitada...

Uma vez centro das atenções, encolhia, fugiam-lhe os argumentos, via nos olhos das outras a razão rebatendo o que ainda nem dissera...

Por fim, só dizia (e inaudivelmente): “Mas ele é um cara legal...

Sumia de cena outra vez.

8 comentários:

  1. Intenso e extremamente bonito ❤

    ResponderExcluir
  2. Amar sempre é uma inconfidência, em algum momento vai existir exigindo do amor a complacência.
    Essa tua sensibilidade carinhosa com as palavras, faz tudo na crença parecer mais linda.
    Adorei o arco iris.
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Ganhando mais uma leitora em 3,2,1...! hahaha

    ResponderExcluir
  4. Me lembrou aquela música: eu gosto tanto de você que até prefiro esconder...

    lindo, lindo

    http://karinapinheiro.com.br/velhos-conhecidos/

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, Lari ♥ Simplesmente... encantador!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, isso é complicado demais. Já me vi nessa situação tantas vezes, aquela parte pequena insistindo que tá tudo bem... Mas no fim a gente aprende qual parte tá certa e dá um jeito nas coisas.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir