Luto solitário

O cachorro está de luto
Pelo dono que morreu e ninguém notou
Pelo dono que viveu e ninguém notou
Uiva um uivado comprido
Um uivado sofrido...
Até que um fantasma manda-o se calar
"Onde já se viu essa cachorrada solta
Acordando o povo às três da manhã?"
O cachorro então ladra baixinho
Chora pelo dono que viveu e morreu e ninguém notou
Chora pelo dono que sofreu e ninguém notou
Só ali pela manhãzinha
Apontam o corpo no chão
"Que horror, tirem o defunto dali!"
O defunto que, quando não-defunto,
Já era um peso morto
Já era um filho torto
Da pátria que muito pare e nem sempre pode cuidar

8 comentários:

  1. Que poema belo! Amei demais. Muito bom <3
    http://viagem-a-terra-do-nunca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adoro poemas, sério. Literatura me encanta :)
    Gostei bastante deste <3
    xoxo || mutant-paradise.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Me deu vontade de chorar... Tava pensando em um dia desses no quanto os cães são sensíveis, sentem nossas dores muito mais do que muitos seres humanos. E muitas vezes esses "ninguéns" só conseguem encontrar um olhar sincero nos olhos de um cão.
    Muito triste. Muito bonito. Final incrível, bem reflexivo.
    beijos.

    ResponderExcluir
  4. Que poema lindo, acabei me emocionando, perdi meu tio e acabei me lembrando dele!!
    Você escrever com muito sentimento<33
    Beijos,
    www.dosedeilusao.com

    ResponderExcluir
  5. A morte é não raro exaurimento do já claro.
    GK

    ResponderExcluir
  6. Que triste, menina!
    O pior é que é nossa doída realidade.
    Seus versos são cheios de sentimento, parabéns!
    Obrigada pelo carinho com as Mini Vilas de Natal.
    Abração esmagador e ótima semana.

    ResponderExcluir
  7. Uma boa " imagem" do que o país, chamaria internamente de objeto improdutivo. Quem não produz, não gasta.
    Bem dito!

    ResponderExcluir
  8. Muito belo Lari, sinto cada vez mais uma evolução em seus textos ♥

    ResponderExcluir