Independentemente do que o mundo de fato seja

Eu não sou muito de questionar a origem do universo... Para mim, basta a resposta que sempre tive como verdadeira e que adquire mais e mais valor quando eu me deixo apenas sentir: Deus. É uma questão de fé e de opinião e não quero permitir, nunca, que alguém que se considere mais inteligente, experiente ou sensato do que eu tente mudar essa que é uma das únicas certezas que me constituem. Sim, uma das únicas... Afinal, ao passo que mantenho distância de qualquer teoria que explique porque a Terra é a Terra, questiono-me, frequentemente, o que é que eu estou fazendo aqui.

Eu tenho o dom de escrever introduções confusas, então, se você resolveu prosseguir com a leitura deste texto mesmo com alguma contradição que eu possa ter apresentado, é justo que eu tente esclarecer minhas palavras neste parágrafo e nos outros que virão a seguir. Não acho que a existência do planeta onde vivo seja desconexa da minha própria existência, e, se me interesso mais por esta do que por aquela, juro que não é por um egoísmo puro e simples. Eis o ponto-chave: é a minha vida que dá sentido ao que me cerca. Todo o aprendizado que colecionei ao longo dos anos se converteu nos meus conceitos de certo e errado, de modo que, se esse processo foi — e é — subjetivo assim, qualquer um pode desconfiar e discordar dos meus julgamentos perante à realidade. Estou tentando dizer que, independentemente do que o mundo de fato seja, minhas conclusões são tão próprias que eu só poderei compreendê-lo conforme a mim mesma. É assim com todos e neste quesito, portanto, é cada um por si. Cada um com seus próprios dilemas existenciais e eu com o meu: o que é que eu estou fazendo aqui?

Não é que eu não tenha um objetivo de vida; eu tenho, e um bem bacana, por sinal. Quando eu me refiro à sentido da vida, refiro-me ao porquê desta minha passagem por este mundo. Quero dizer, minhas origens e meu destino final. Onde eu estava antes e para onde irei depois. Tenho para mim que isto aqui, esta existência, é um teste: "Como você age dentro de uma sociedade e o que faz para torná-la melhor, mesmo sabendo que, apesar de existirem milhões de pessoas boas que almejam um futuro ao menos decente, as mazelas sociais e ambientais talvez nunca tenham um fim?". Mas... se isto aqui é um teste, saberei eu algum dia se passei nele ou não?

Você pode me dizer o que for, e por mais que eu ache seu ponto de vista interessante, irei aceitá-lo apenas como uma conclusão que não é minha. Eu não tenho conclusão nenhuma, vale lembrar. Eu tenho teorias, muitas teorias a respeito do tema. Por que não as compartilho? São dois os motivos:

1. Alguém poderia analisá-las a fundo e passar a acreditar que sou louca.
2. Alguém poderia analisá-las a fundo, ver coerência em alguma delas e acabar enlouquecendo.

5 comentários:

  1. Bem, esse é um dos meus assuntos favoritos no mundo. As crenças das pessoas, o que as motiva, no que elas acreditam mesmo. E não, eu nunca te consideraria inferior a ninguém pela sua fé, muito pelo contrário, eu acho a fé uma coisa maravilhosa e fascinante. Eu nunca te acharia inferior pelo que você acredita, a não ser que você julgasse outra pessoa inferior pelo que elas acreditam.
    Acho que é tudo um ciclo. Eu não sei bem no que acredito também. Não tenho conclusões por enquanto, concordo com você nessa parte.
    Eu acredito que algumas coisas são para ser mesmo. Uma espécie de destino, talvez. E acredito que exista certa consciência por trás de entidades como o futuro e a morte, mas acho difícil que existe um paraído, um inferno, e até mesmo um Deus olhando por nós.
    Essas são só algumas conclusões minhas. E eu realmente gostaria de saber as suas, prometo tentar não enlouquecer. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curti bastante suas conclusões, Mari Mari! Em alguns aspectos, as minhas são parecidas — pelo menos as que são menos "noiadas" (não que eu tenha alguma conclusão muito plausível, afinal estamos lidando com um assunto que não permite certeza nenhuma). Acho que para eu compartilhá-las de maneira compreensível, mesmo com o risco de bancar a louca ou me tornar responsável pela loucura de alguém, eu precisaria de, no mínimo, um post completo (daqueles bem grandes). Quem sabe um dia? Hehe'

      Excluir
  2. Estamos no mesmo barco. Acredito em Deus, acredito em Jesus. Mas acho que me encontro atualmente sem religião. Sou de família católica, por anos obrigada a frequentar uma igreja. Se eu te disser que me sentia mal, estarei indo contra meus sentimentos, mas se dizer que ia feliz, também estarei mentindo. Encontro dogmas errôneos em praticamente todas - praticamente, porque é impossível conhecer todas - e nada do que eu penso condiz com os costumes das que eu pesquiso por aí.

    A verdade é que atualmente - porque se tratando de mim, cada momento é único - estou num impasse, não um impasse negativo, mas algo equilibrado. Um equilíbrio que consiste em crença no criacionismo e evolucionismo ao mesmo tempo. Uma crença que me diz que a Terra surgiu do Big Bang, mas Alguém o fez. Algo por dentro me diz que não somos marionetes frente à um deus dogmático, mas que também não estamos aqui só pra evoluir num ciclo sem fim. Ai, é tanta coisa que eu penso que se falo mais, enlouqueço mesmo. Mas eu quero que você faça esse post explicando suas teorias. Afinal, discutir crença com uma pessoa de mente aberta sempre edifica, e é muito válido.

    Beijos, Sel | Quinta Gaveta ♥

    ResponderExcluir
  3. Tema muito longo, fez bem em não deixar uma conclusão.

    Não acredito que a vida seja necessariamente um teste, acredito que todos tem um motivo para estar aqui simplesmente. Acredito que se eu nasci (mesmo depois de a minha mãe ter tomado remédio para que isso não acontecesse e quase tivesse me matado) é porque tenho um propósito neste planeta.

    Minha missão é descobrir, e talvez esteja quase lá, depois fazê-lo.

    ResponderExcluir
  4. "Mas... se isto aqui é um teste, saberei eu algum dia se passei nele ou não?", eu acredito que estamos aqui para nos tornamos seres melhores e para ajudar também o planeta a evoluir. Eu sempre simpatizei muito com a doutrina espírita (pois é), sempre li sobre e faz mais ou menos um mês que comecei a frequentar.
    Queria ter essa paz certeira sobre a origem do universo. Eu não tenho. Sou do tipo de gente que só acreditaria se um dia me colocassem pra bater um papo com quem criou isso aqui. Não acredito em acaso, mas ainda fico meio "sei lá". Acredito em Deus, vidas passadas, missão na Terra, espíritos (não como nos filmes de terror, vale ressaltar)... hahaha
    É essa delícia, né? Cada um é um universo e cada um tem a sua concepção sobre ele. Eu tenho muitas ideias loucas, que as pessoas escutam e me chamam de doida. Mas eu não me importo! hahaha O que eu não suporto é guardar só pra mim.
    Desculpa a demora pra avisar, meu blog mudou de nome e endereço! Agora é o Nada Terráquea. Tô aqui cheia de coisas para estudar, mas resolvi tirar um tempo para ler e responder esse post. Adoro teorias assim. Acho lindo o jeito que cada pessoa vê, sente e se impõe no mundo.
    Sou do tipo que se quiser discutir sobre o universo, passariam-se horas e horas e não seria o suficiente para dizer tudo que penso ou já pensei. Pois o que vim fazer aqui? Disso é o que tenho certeza. :P Ser uma pessoa cada vez melhor, esse é o meu lema!
    E pode escrever mais sobre isso! A loucura que é levada muito a sério! hahaha
    Beijão, bom domingo.

    ResponderExcluir