É o velho clichê

Minha virada de ano foi incrível... Duas das pessoas que eu mais amo no mundo e eu numa estradinha de pé de montanha, vendo fogos de artifício pularem do centro da cidade embaixo para o céu nublado acima. Claro que eu também estava ciente dos detalhes: a goiabeira enroscada no arame ao meu lado; a perspectiva das torres de duas igrejinhas, de frente uma para a outra e uma em cada ponta da praça; a brisa noturna que tocou minha pele quando saí do carro para receber o ano novo.

Às vezes me sinto tão plena, sabe? É um sentimento bem legal. Vontade de abraçar o mundo e ser abraçada por ele, vontade de viver e viver para sempre. Eu odeio, em momentos assim, me lembrar de que tudo é tão passageiro. Pensar que, no momento seguinte, eu posso, por um motivo qualquer, desenvolver um puta de um mau-humor. Que eu posso receber uma notícia ruim. Que eu posso, sei lá, ser engolida pelas circunstâncias de modo que toda a minha poesia de viver pareça uma insanidade, algo absurdo, distante... Tipo quando a gente vê uma criança gargalhando alto por pouca coisa e dá aquele sorrisinho de lado, pensando, nostalgicamente, “Em como era bom ser criança para gargalhar alto por pouca coisa”, como se isso nunca mais tivesse nos acontecido ou nunca mais fosse nos acontecer. Sempre que estou frustrada tendo a adotar essa linha de raciocínio. Tendo a acreditar que nunca mais ficarei feliz por nada. É como se, do início da minha frustração em diante, eu fosse afundar cada vez mais, definhar cada vez mais... Concordo que é um vitimismo do caramba; um egoísmo do caramba! Inevitável, contudo. É o velho clichê de que “A vida é cheia de altos e baixos”.

Na virada, eu estava, literalmente, no alto. Chutei o Que venha 2015” sem-graça do dia 25 para um “VEM NI MIM, 2015, SEU LINDO, GOSTOSO, PERFEITO!!!”. Estou animada...
Eu realmente não sei o que me espera — como poderia saber? Não tenho para o ano muitos desejos, não tenho planos, mal tenho metas. Tenho consciência de que este será um ano complicado pelo excesso de decisões que terei de tomar, todas prestes a mudar o rumo do meu 2016, do meu 2017, 2018... Tenho consciência de que devo estar preparada para todos os altos e baixos clichês que vierem me dizer “Olá!”. Tenho consciência do significado de um ano novo. E das oportunidades!

2013 tinha sido um ano bem chato para mim, de modo que comecei 2014 com fome de mudança. Mantive a mente aberta para qualquer lição que viesse até mim nos 12 meses que passariam; os 12 meses passaram, o que aprendi me modificou profundamente. Quero dizer, 2014 não foi para mim o ano dos grandes sonhos realizados ou dos inúmeros momentos inesquecíveis, mas foi um ano de autoconhecimento e amadurecimento — tornando-se, em consequência disso, um dos melhores anos que já tive. O lance é que tudo que absorvi de 2014 quero aplicar com ainda mais empenho na minha vida em 2015. Que Deus me ajude! 

5 comentários:

  1. Que 2015 seja esse ano, para você, Lari. É só manter a calma e continua andando em frente.

    http://mclumaluz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Todo ano tenho em mente essa supersticiosidade de renovação e tal, acho que nos impulsionam muito a seguir nossos sonhos e deixar tudo de ruim para trás. Queria poder dar um abraço agora em quem inventou essa história de dividir a vida em anos <3
    Esse ano também vai decidir muito minha vida, o que vai ser de 2016,17 pra lá, e isso me preocupa muito pois acho que ainda estou meio perdida no tempo. Mas espero ser um ano bom também. Que seja pra todos nós!

    Tudo de bom pra você Lari. Valeu por me receber novamente no blog, espero não sumir tanto esse ano!

    ResponderExcluir
  3. Todo início de ano nós somos dominados pelo desejo que tudo dê certo, por essa animação, particularmente acho que um dos melhores estados de espírito para se estar, como eu sempre penso, acho que não precisamos de um novo ano para recomeçar, mudar, ou realizar algo, mas convenhamos que um ano novo é uma ótima oportunidade para isso acontecer. Bjbj!

    http://dontrushintothings.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Antes de tudo, desculpa: Eu sou uma imbecil desavergonhada.
    Sei que essas não são as palavras que eu gostaria de falar, nem você de ouvir, mas é a verdade.

    Metade porque, como você disse, acho isso bem clichê, outra metade porque não sabia mesmo como colocar isso aqui em palavras, mas vamos lá.... ao menos estou tentado - sendo que somente tenho um dia por semana com boa conexão pelo note (quando meu irmão está dormindo também).

    Posso te afirmar com certeza que 2014 também foi um ano de autoconhecimento para mim também, e fico profundamente grata por alguém como tu, moça, ter realmente lido parte de minhas frustrações - todas clichês e super chatas, eu admito, mas né, fazer o que.
    Espero que esse ano seja muito bom, de verdade, apesar de minhas expectativas não estarem tão altas em relação à minha vida, ao menos posso te desejar um: bom 2015 do fundo do meu coração. Espero, também, que você aproveite bem esse mês de férias - olha, eu estou tentando aproveitar o meu, mas entre uma coisa queimando ali e eu costurando meu dedo ali, tô meio que desistindo, oxi, isso é um sinal.

    Anyway.... relaxa, é clichê? É, mas sabe de uma coisa? Eu realmente clichês, sejam romances, ideias ou palavras, de vez em quando é bom. E um dos clichês que eu mais gosto são os quase imperceptíveis em suas postagens, porque é um pedacinho de você, e não tem como eu não gostar de ler uma boa história.
    Então, yeah, obrigada por me permitir ler um pedacinho de tu - obviamente, você é muito mais do que nos deixa ver em seu blog, mas já me sinto bem feliz por saber que ainda existem pessoas boas por aí... e divertidas.... e com um bom gosto pra música, na moral, pq pessoas assim não moram aqui na minha rua?

    Nossa, queria só passar boas vibrações e isso virou um discurso, sorry.
    Beijos de LUX pra tu <3

    ResponderExcluir
  5. Confesso que estou sentindo uma certa invejinha branca de você... minha virada de ano foi até boa, mas na certa eu preferia estar dentro de um carro conversando com as pessoas que amo, enquanto observava de longe a cidade e os fogos..
    2014 também foi um bom ano para mim... principalmente no aperfeiçoamento de personalidade e ideais. Devo te agradecer, pois teus textos e opiniãos foram de grande contribuição para essa espécie de evolução do intelecto.
    Desejo que essa virada de ano reflita no teu 2015, pra que ele seja tão único quanto o término-início do mesmo.

    E mais uma vez, obrigada.

    ResponderExcluir