Sensações incomparavelmente... horríveis (especial ENEM)

Hoje o Inep divulgou o gabarito oficial do ENEM 2014 e eu, depois de conferir meu resultado — que contou com uma falha enooooorme em Ciências da Natureza e Matemática, com suas respectivas tecnologias , fiquei com vontade de narrar aqui alguns particulares da minha experiência como treineira. Ah, isso em forma de uma lista de sensações incomparavelmente horríveis!


Descobrir que seu nome é clichê pra cacilds. Eu sabia que meu nome era comum. Eu sabia que, na sala em que eu fosse prestar o ENEM, haveria várias garotas com esse mesmo nome comum. Mas juro: eu não esperava ir parar numa sala composta APENAS por Larissas! É uma sensação muito desesperadora: a aplicadora pronunciar o nome Larissa — sei lá, para chamar a atenção para uma falha ou solicitar uma das várias assinaturas que temos que distribuir nos dias de prova — e umas quarenta cabeças se virarem na mesma direção, com cara de “Ah? É comigo?”. Sem falar que as coordenadoras da minha sala, para completar, tinham a mania quase que irritante de tratar todas as meninas como se fossem velhas conhecidas. Quero dizer, para qualquer canto que elas olhassem só havia Larissas mesmo. Então elas podiam ficar naquela de “Boa prova, tá, Larissa!”, “Até mais, Larissa!”, “É isso aí, Larissa!” a todo momento, como se, no decorrer de um ano cheio de uma agradável dinâmica aluno-professor, elas já tivessem decorado nossos nomes na chamada.

Não aguentar mais ficar sentada. Na boa, o ENEM nos vence, em parte, pelo cansaço. Eu até pensei em pedir para ir ao banheiro depois das primeiras horas de prova, mesmo sem estar com vontade, só para dar uma voltinha... mas meu atraso nas questões não me permitiu esse luxo. Daí eu tive que ficar direto sentada. E, se quando estamos cansados queremos sentar, por outro lado é extremamente cansativo ficar sentado por muito tempo. Eu me encostava na cadeira para depois me desencostar, e virava mais para a esquerda, depois virava mais para a direita, e me arcava sobre a prova, e voltava a ficar ereta... No meu espaço limitado, fazia o que dava para variar, mesmo que milimetricamente, de posição. O complicado é que, no primeiro dia, teve um momento em que começou a chover. Vocês não têm ideia da aflição que é conter a vontade de jogar a prova para o ar, fugir da sala com um riso esquizofrênico e ir dançar um sapateado na chuva, só para relaxar...

Comer algo durante a prova. Dentre as experiências narradas e não narradas, a mais hilária foi a que abrangeu a sensação incomparavelmente horrível de comer algo durante a prova. Afirmação estranha, eu sei... Deixem que eu me explique pegando de exemplo uma barrinha de cereal: vocês podem até achar que, no caso, a pior parte é abrir a embalagem, que faz uma barulheira do cão, mas não... a pior parte é mastigar. É ter plena consciência da sua própria mastigação enquanto o resto da sala está super concentrado nas questões, mantendo um silêncio absoluto. Tipo, a impressão que dá é que a cambada toda — no meu caso, uma cambada de Larissas, para piorar — está ouvindo você comer. A impressão que dá é que os aplicadores da prova vão convidá-la a sair da sala porque você está atrapalhando a paz do ambiente. Isso não é nada, nada legal...



10 comentários:

  1. Oi Lari querida! Desculpa o sumiço, faculdade anda consumindo minha alma :o rs Mas sempre que dá eu to dando uma lida aqui. Bom, compartilho as mesmas frustrações que tu. Lembro que no cursinho um professor dizia "levem alimentos com embalagem barulhenta e deboche das questões, de risada como se soubesse tudo, isto intimidade a concorrência" rs Pensou por esse lado?

    Agora, ficar sentado, ninguém merece mesmo, dou graças que passei desta fase da vida, pois porra, mal consigo ficar 15 min na aula sentado, magina horas fazendo prova, bom que tu fazendo como treino, aprende que ano que vem tu não vai precisar de um cursinho pré vestibular, mas sim dum curso de yoga QIDHIUQWHDIUIUQWD

    Fique bem querida <33

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, e vou precisar mesmo, Washington! Hahahahaha!

      Que bom que você tem passado por aqui: adoro suas visitas! E, na boa, o ponto de vista do seu professor é muito da hora: eu nunca tinha pensado por esse lado, mas vou anotar essa dica, também, para o ano que vem, hehe'

      Excluir
  2. Moça, se tu acha que Larissa é clichê, imagine Ana? Não fiz o ENEM, mas se eu fizesse, provavelmente iria ter umas 157542457 Anas na sala que eu estivesse. O que é horrível, porque morro de ciúmes do meu nome e quando vejo outra Ana já fico meio puta da vida {não me pergunte porque, sério. Coisa de gente meio louca, né? Tem nome comum e ainda tem ciúme. AHAH}
    Nunca fiz o ENEM, mas sempre penso que ficar sentada por tanto tempo vai ser uma das piores partes, até porque eu sou meio hiperativa e ficar parada não é meu forte. Passo 10 minutos sentada e já tenho que levantar um pouquinho pra esticar as provas, imagine passar mais de três horas sentada.
    Nunca comi em provas {até porque, se o fizesse, provavelmente seria expulsa de sala}, mas sei o quanto é agoniante comer no silêncio total. AHEUHAE

    Post maravilhoso, Lari!
    Beijos ♥
    {wakin-g.blogspot.com}

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Auuhshuashuahs, e não é?

      (A propósito, eu também teria ciúmes: Ana é um nome muito bonito...)

      Excluir
  3. Hahahaha esse foi um dos posts mais engraçados e verdadeiros que vi nos últimos tempos Lari.

    Eu tive o "prazer" de fazer o ENEM também. Fiz porque estava com saudade de estudar certas matérias kkk (é sério) e para, quem sabe, fazer outra faculdade, pois sou um infeliz Engenheiro recém-formado. Eu não corrigi ainda, mas acho que nem fui muito bem, estudei uma semana apenas e a minha habitual mania de ser literalmente o último a terminar as provas, prejudicou-me na hora de administrar o tempo, principalmente no segundo dia (90 questões + Redação, eu precisaria de mais 2 horas para conseguir fazer tudo no meu ritmo kkkk)

    Fiquei tão concentrado na prova que só fui notar a dor na minha coluna, depois de horas fora da sala. Levei umas três barrinhas de cereais kkkk Esse episódio do Mr. Bean é bom demais hahaha

    De qualquer forma, boa sorte nos seus futuros vestibulares Lari ;-)

    P.S.: Te indiquei para uma Tag no meu blog, não sei se você costuma responder. Mas, de qualquer modo, foi um jeito de demonstrar a minha admiração por você e pelo Jeito Único.

    Beijos e desculpe o comentário gigantesco.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passei pelo mesmo problema que você: tenho mania de ser meio lerda quando vou fazer provas, daí que no segundo dia, quando a aplicadora falou que faltava meia hora para acabar nosso tempo, ainda faltavam 20 (20!!!) questões de Matemática para eu fazer e, ainda por cima, eu tinha que terminar de passar o gabarito. O resultado disso foi um chute atrás de outro chute nas questões finais. Mas a parte boa é que, depois desse meu treino, eu já tenho uma noção de quais são minhas falhas para que as corrija no ano que vem....

      Muito obrigada, Vitor! Pelo desejo de boa sorte, pela admiração e pela indicação. Ah, claro: e também pelo "comentário gigantesco", porque, em geral, eles são meus preferidos, hahaha!

      Excluir
  4. Boa tarde Lari.. imagina o sacrificio né rsrs
    nunca o fiz.. e eles nem chegam perto de um concurso público..
    meu irmão fez um recente não acabou a prova e se ferrou em quase todas as questões..
    por isso que se eu fosse fazer algo assim seria como o Godinis do chaves rsrs
    ia fazer na cara ou coroa e depois confirmar as respostas..
    mas não como no episódio que nem assim ele conseguiu terminar rsrs
    bjs e um lindo dia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitas das questões que fiz, neste ano, foi "jogando na sorte" também... Tava complicado, viu! Hahaha'

      Excluir
  5. ENEM esse ano foi tranquilo para mim..
    Na minha sala havia uns Gustavos e apenas uma garota, que se chamava Guida, ela dava em cima dos meninos hahaha.
    Fiz a prova numa escola no meu bairro (você não imagina minha felicidade de não ter precisado pegar ônibus lotado). Fiquei tããão entediado na cadeira, antes de receber a prova que peguei o fandangos que levei, e desenhei em um saco o que havia na embalagem e fiz umas doidera lá tipo, fiz o "The Walking Fandangos" que era o personagem do salgadinho modo zumbi e sem braços. Fiz o simbolo do Jogos Vorazes com o pássaro super feliz da embalagem. Ainda tenho o desenho guardado.

    Ah sim, comida elimina concorrência, aquele barulhos e a sensação de todo mundo olhando pra você, ou quando alguém esta gripado na sala e fica fungando, aaah! No ENEM do ano passado, um cara ofereceu comida aos colegas de prova, ninguém aceitou, vai que tinha alguma coisa!

    Beijos amore! (sim, você está sendo plagiada)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fiquei imaginando a cara do jovem, lá de boa, oferecendo comida pra galera num gesto de solidariedade, e a galera com aquela cara de "Não, amigo, desculpa: você não vai me drogar." Hahaha' coitadinho!

      Você fez a prova no seu bairro enquanto eu tive que rumar à cidade vizinha. A vida é assim mesmo...

      Até mais, môre! (Eu posso lidar com esse "plágio", hehe')

      Excluir