Eu não sou lá muito adolescente

Eu não sou lá muito adolescente. Esta foi a conclusão à qual cheguei nos últimos anos, os mesmos em que eu deveria estar praticando minha adolescência se ela tivesse me tomado por completo.

Digamos que as fases da vida são as mesmas para todas as pessoas: infância, pré-adolescência, adolescência, juventude, fase adulta, velhice. Digamos, também, que mandei super bem com as duas primeiras: eu soube ter bonecas e brincar numa casinha imaginária quando foi tempo, da mesma forma que tive amores platônicos e me pus a pensar mais em roupas, cabelo e garotos quando a hora chegou. Acontece que, na terceira fase mencionada, comecei a sofrer algum tipo de mutação. Não, não uma mutação evolutiva, que me faria entrar numa espécie de seleção natural — se houvesse alguma além da dos grupos estereotipados. Na verdade, acabei herdando só as características ruins da adolescência, mesclando-as com conceitos maduros demais para a idade e outro quê de ingenuidade que eu já devia ter perdido.

Vejam bem: eu não bebo, não uso drogas e não costumo me acabar em festas, mas boa parte das minhas canções preferidas são de sujeitos que morreram de AIDS, overdose ou engasgados com o próprio vômito, depois de encherem a cara um pouquinho demais da conta. Eu não tenho a menor paciência para dramas do gênero “Ui-eu-gosto-dele-mas-se-eu-ficar-com-ele-vou-estragar-a-amizade”, mas, meio que sem querer, já enrolei caras por muito menos. Acho que padrões de beleza são patéticos, mas já deixei de sair de casa porque, supostamente, não tinha roupa, e prometo toda semana que vou fazer dieta mesmo que eu esteja dentro do peso esperado. Não tenho problemas com estudos porque aprender é uma das coisas que me fazem sentir viva, mas não saio falando “esse tipo de coisa” por aí porque, “esse tipo de coisa”, além de muito nerd, não é bem o “tipo de coisa” que faz se sentirem vivas as pessoas da minha idade. Tenho o mesmo celular desde 2011 e nenhuma pretensão de trocá-lo, mas também não sou tão pouco materialista a ponto de viver sem ele e meus fones. Não dou a mínima para redes sociais, mas entendo que o ser humano é um animal social e me viro, do meu jeito, para socializar. Eu digo que sou perfeitamente feliz quando estou solteira, mas tudo o que eu queria, em alguns momentos da vida, era viver um romance como o dos filmes.

E eu digo que não sou lá muito adolescente, mas... puta merda, eu sou muito adolescente! Uma adolescente com juízo demais e certezas de menos, mas, ainda assim, perfeitamente adolescente.

Ou adolescente imperfeitamente.

Ou, ainda, só uma perfeita contradição.

17 comentários:

  1. Adorável. hahaha Eu sempre tive isso de não me sentir adolescente, justamente por não usar nada ilícito ou me acabar em festas. Virei noites? Virei. Mas pensando em coisas ou fazendo qualquer outra coisa não tão prazerosa e que me desconectasse de tudo, pelo contrário.
    Acho que a adolescência é exatamente isso: essa incerteza. É a inconstância. E por mais que exista um esteriótipo, nenhum adolescente é igual. Não me sinto tão mais adolescente (vinte anos chegando), mas fui/sou assim.
    Eu percebi que quanto mais envelheço, menos mutável eu fico. É como se algo fosse se acalmando. Ou, tenho me acostumado com minha instabilidade constante.
    Mas acho que gente como você, como eu, é uma perfeita contradição. Ou talvez não isso. Pois contradição me soa como algo ruim. Viu? Já não tenho certeza sobre isso... hahaha
    Enfim, achei o texto adorável. Me vi em cada linha. ♥ Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu venho precisando de uma certa estabilidade de sentimentos, Ana Débora, mas quanto mais escrevo sobre minha necessidade, mais acabo me contradizendo em minhas próprias palavras. Foi o caso deste texto... Por que temos de ser assim, né? Coisa mais complicada!

      Muito obrigada, fror ♥

      Excluir
  2. Também não me sinto adolescente. Sou tipo você. Aprender, é como você disse, me (nos) faz se sentir mais viva, e me sinto em paz comigo mesma, eu me sinto mais confortável aprendendo, do que fazer "aquelas" coisas que os adolescentes normais andam fazendo. Ler, aprender, escutar música, comer :3 entre coisas deste tipo é mais a minha praia.
    Acho que nosso jeito de ser adolescente, é bem melhor do que muitas meninas, que já estão grávidas, se drogando, se viciando em coisas ruins, mas nós estamos aqui.

    Beijos, nat-intensivaterapia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Lari, posso pegar um trecho deste texto (que é belo por sinal) para por no meu blog? Seria uma "citação" que ficaria no gadget do blogue que estou a criar :) Claro que eu botaria que é de sua autoria!

    (não estou logada no momento, desculpe)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com créditos/link do blog pode, sim, amore!

      Excluir
  4. Estou me sentindo um pouco parecida com você
    mas no meu caso eu estou tendo problemas com a juventude
    emprego, responsabilidade, pagar conta, aturar todos os dias gente que eu não gosto e que não gostam de mim isso tem sido demais para mim.
    A fase adulta é chata e cheia de responsabilidades e frustrações
    sinto falta da minha infância e dos meus dramas adolescentes.
    Também adoro aprender e não ligo muito para celulares hahaha
    beijo

    http://karinapinheiro.com.br/cronica-parte-4-a-primeira-vez-que-te-vi/

    ResponderExcluir
  5. Oh, shit. Como explicar o quanto nós somos parecidas, Lari? UHEUAEH Sério, cara... Como eu me identifiquei com esse texto, meu Deus do céu. Eu sempre tive isso de não me sentir tãããão adolescente, justamente por não usar drogas/beber ou me acabar em festas. Até já tentei, pra falar a verdade. Mas não deu muito certo, então fiquei na minha mesmo. Sou muito adolescente em uns aspectos, em outros sou uma velha chata e reservada. Que nem a Ana Debóra disse: a adolescência é essa incerteza, inconstância.... huehae. Beijos, Lari ♥

    wakin-g.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Que texto inspirador!
    Alguns dos adolescentes são contraditórios e outros monótonos... Muito bem escrito o texto.
    Amei
    palavras-antigas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Boa noite querida. Me fez sentir-me velho lendo isto rs Apesar de eu ainda estar numa fase de muuuuuuuuuuuuuuitas indecisões, me recordo da adolescência, escolhas vindo como ondas, experiências brotando do nada e milhares de opções, mas a falta de experiência é crucial nestes momentos e todas as atitudes tomadas parte disto. Sabe, compreendo suas instabilidades em geral, pois sentir um baita desabafo neste texto, mas o que posso dizer, sou mais instável do que qualquer um, é a maldição do geminiano. Bom, onde quero chegar é, seja como for, passe o que passar, viva o que tu sentir que deve ser vivido e não se arrependa, assim, tudo correrá doce como mel =]]
    rsrs

    Isso aí rs
    xoxoxo
    ugdu =]

    ResponderExcluir
  8. Amadurecimento!? Bom eu não sei qual a palavra certa para este momento. Eu ás vezes me sinto assim madura demais para algumas coisas, mas sempre me vem aquele momento criança, é de deixar-me confusa mesmo. Adorei o texto Lari, me fez refletir... Miiiiil beeeeeejus lindona!

    ♥ www.doceencontro.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Lari! Foi eu que comentei em anonimo ali em cima pedindo sua permissão para usar seu trecho no meu futuro-novo-blog :) aproveitando a oportunidade: eu fiz um layout inspirado no seu atual, poderia me dizer se aprova? Eu lhe enviei um convite no Facebook (Sarah Aries) ^^

    "Eu não bebo, não uso drogas e não costumo me acabar em festas, mas boa parte das minhas canções preferidas são de sujeitos que morreram de AIDS, overdose ou engasgados com o próprio vômito, depois de encherem a cara um pouquinho demais da conta (...)" Esse trecho me lembrou a música Ideologia do Cazuza ♥

    Eu, na maioria das vezes, me sinto perdida em relação à adolescência, haha. Sou tão diferente e ao mesmo tempo igual a todos os outros dessa fase, mas sou mesmo um tanto quanto careta kwjkwjkwjkwj Sinceramente, esse foi um dos textos que eu mais me identifiquei ♥

    Beijos, até mais ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Meus heróis morreram de overdose": este o trecho, não? Hahaha!

      É sempre ótimo encontrar quem se identifique com minhas palavras, porque é uma forma de eu me sentir menos "perdida" no mundo... E nós somos caretas, sim, mas pelo menos temos alguma originalidade, né?

      Quando eu entrar no Face, adiciono você lá (daí você me passa o link do seu blog pra eu ver o layout) ♥

      Excluir
  10. Boa tarde Lari..lendo-te na maioria das vezes vejo pensamentos e visões de uma menina mulher.. tu é bem centrada e isso só tem acrescentado a vc.
    tens a cabeça no lugar.. sabe bem o que quer e não quer..
    vc sim esta passando por um porcesso e gratificante ao meu ver.. pois muitas pessoas com anos mais que vc não desejaram ver as coisas assim.. ou preferiram o acomodar-se nos pensamentos vazios de pessoas de baladas.. metidas com drogas..
    eu ouço rock e sei da história de cada um.. o guitarrista que estive.. o Eddie Van halen.. teve 3 cancers de tão fumar e beber rsrs
    sem falar nos demais né..
    podemos gostar de tudo.. mas não entrar em tudo..
    achei legal essa parte do ficar.. isso eu acho ridiculo.. por isso que relacionamentos de hj estão uma porcaria.. cheios de brigas.. pq nunca encontram o amor.. só sexo.. festas roupas de moda e por ai vai..
    por falar em celular.. amanha posto mais uma só para cutucar pessoas viciadas neles..
    bjs e até sempre

    ResponderExcluir
  11. Não sei bem se sou adolescente ou se sou pré-adolescente... (tenho 13 anos) enfim, hoje já nem faz tanta diferença porque desde cedo meninas e meninos estão querendo fazer coisas que não são da idades deles, agindo como adolescentes. Como por exemplo, as meninas da minha sala falam muito palavrão, conversam sobre coisas pervertidas, usam roupas super curtas e agem como putas. Os meninos são muito pervertidos, e para piorar as meninas gostam disso e ficam se exibindo. Minhas amigas agora tem amigas de 15 anos, fumam, vão para festas... não faço nada disso ç-ç e nem quero. Elas é que vão perder, assim a vida vai passar mais rápido (o que, na minha opinião, não é nada bom) adorei o texto, incrível como sempre! Beijos <3

    starry skies ✰ beijinhos da senhorita Cat

    ResponderExcluir
  12. Bom, acredito que cada um de nós tem o seu próprio jeito de pensar e agir não é verdade? Acho que taxaram a "Adolescência" como uma fase para curtição, bebedeiras, se drogar etc e em sua maioria coisas ruins né? Pois bem, eu acredito que a verdadeira adolescência significa descobertas, mas não das coisas ruins e sim daquilo que vamos poder tirar proveito em nossa futura fase. Sim, já me senti velha enquanto conversava com algumas amigas que ia para a balada e pegava todos enquanto eu simplesmente prefero ficar em casa lendo um bom livro e escutando uma dessas músicas que marcaram a adolescência de alguns de muitooooos anos atrás. Enfim, cada um é adolescente da sua própria maneira e cada um tira proveito dessa fase (boa e ruim) do jeito que mais lhe agrada. Beijos ♥♥

    www.pumpcolor.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olha, em minha defesa, foi só uns dois dias em que eu estava realmente MUUUUIIITOOO deprê, aí eu bebi mesmo, não me arrependo, okay? Até porque eu achei que foi bom - tirando a parte da choradeira, mas foi bom chorar, no dia seguinte estava melhor.

    No meu caso... bem, eu tive uma infância meio LOL, não gostava de rosa, odiava brincar de casinha, e tinha bonecas para colocar na prateleira e não pra brincar, e, sim, eu chorava quando meu irmão tirava os carrinhos dele de mim - pois é, na minha rua eu era meio estranha, ou melhor, sempre fui a moleca da turma u3u

    Acredito que existam "ramificações" de adolescentes, porque todo mundo é diferente, mas meio igual - vai entender essa frase.
    Sei lá... as vezes eu me acho inocente de mais, as vezes de menos, as vezes eu não acho é nada. Esse tentar se entender é uma coisa complicada, e no fim a gente descobre que não entende nada, porque nós mudamos o tempo todo.

    Mas... Lari, minha fror... não importa como você é, se se acha "adolescente de menos ou de mais", no fim é só fazer o que te faz feliz, o que der vontade, porque ainda dá pra usar essa fase como desculpa e ter mais história pra contar...

    Ou não faça nada do que falei, afinal, a vida é tão diferente, complicada, e com tantos caminhos que nenhum conselho talvez te sirva, o importante é se viver a vida.

    P.S: Comentário todo confuso, porque meu cérebro acabou de virar farofa no trabalho de física XD

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir