Através dos séculos

"Imagina tu, leitor, uma redução dos séculos, e um desfilar de todos eles, as raças todas, todas as paixões, o tumulto dos Impérios, a guerra dos apetites e dos ódios, a destruição recíproca dos seres e das coisas. [...]. A história do homem e da Terra tinha assim uma intensidade que lhe não podiam dar nem a imaginação nem a ciência, porque a ciência é mais lenta e a imaginação mais vaga, enquanto que o que eu ali via era a condensação viva de todos os tempos. Para descrevê-la seria preciso fixar o relâmpago. Os séculos desfilavam num turbilhão, e, não obstante, porque os olhos do delírio são outros, eu via tudo o que passava diante de mim,— flagelos e delícias, — desde essa coisa que se chama glória até essa outra que se chama miséria, e via o amor multiplicando a miséria, e via a miséria agravando a debilidade. Aí vinham a cobiça que devora, a cólera que inflama, a inveja que baba, e a enxada e a pena, úmidas de suor, e a ambição, a fome, a vaidade, a melancolia, a riqueza, o amor, e todos agitavam o homem, como um chocalho, até destruí-lo, como um farrapo."


Já faz uns dois anos que um professor sorteou um livro na sala e eu, como sortuda que sou, o ganhei. O título? Memórias Póstumas de Brás Cubas

O problema é que, na época, eu me deixei levar por uns dois parágrafos do primeiro capítulo e já acabei vencida pela preguiça da leitura, de modo que o livro ficou parado na minha estante nos anos seguintes. Mas aí cheguei no Ensino Médio, e com ele vieram as leituras obrigatórias. Uma das minhas, neste ano, foi justamente Memórias Póstumas de Brás Cubas. Ah, se vocês pudessem ter uma noção do quanto me arrependi de não o ter lido antes... Não tanto pelo enredo, mas pela maneira como a história foi contada. É genial! Se ainda não dediquei nenhuma resenha a ela no blog, é porque preferi ir desmembrando, ao longo do tempo, alguns de seus trechos para fazer posts em cima deles. O que abriu este post, por exemplo, é do capítulo VII (O Delírio), no qual o protagonista Brás Cubas, encontrando-se no leito de morte, passa a se ver guiado através da vida. Através dos séculos. Um pouco do que ele viu, de certa forma acabei de mostrar a vocês. E pretendo mostrar também a minha "interpretação filosófica", por intermédio de fragmentos musicais que separei para o tema!



Despedacem os fracos
Enfeitem a moda
Sodomizem as crianças
Escravizem os velhos
Fabriquem as armas
Destruam as casas
Façam render a guerra
Escolham os heróis

A Pitty conseguiu resumir em uma única música (Quem Vai Queimar?) algumas das partes mais sujas da História... As partes que são encobertas por feitos ditos “gloriosos”, como a conquista de terras, o triunfo de algum país em alguma guerra, os atos dos heróis cuja coragem é posta em dúvida, se levarmos em consideração que, na narração dos fatos, prevalecem as memórias dos vitoriosos — geralmente os que resolvem problemas com derramamento de sangue e veem louvor no acúmulo de riquezas. As memórias dos que morrem pela justiça e pela liberdade, em alguma batalha que já estava perdida antes mesmo de ter começado, se esvaem junto com o tempo.


Quando você pensa que nós
Tentamos de tudo
E a possibilidade de fazer
Tudo certo
Continuamos a praticar os mesmos
Velhos erros
Fazendo, inesperadamente, um equilíbrio tão fácil


"Somos irmãos de sangue". Simples dizer, mas difícil é entender por que é que, como diz a canção do Iron Maiden (Blood Brothers), continuamos a praticar os mesmos velhos erros. Os mesmos erros em relação aos nossos irmãos. A falta de compreensão de uns para com os outros. A cobiça, a vingança e os pretextos desgastados usados para matar. Onde é que reside a dádiva do raciocínio quando o ser humano se deixa guiar pela ignorância?



Agora, não fique esperando
Nada dura para sempre, apenas a terra e o céu
O tempo foge
E todo o seu dinheiro não comprará outro minuto

Poeira ao vento
Tudo o que somos é poeira no vento

"Eu fecho meus olhos, apenas por um momento, e o momento se foi." [Dust In The Wind, Kansas]. É... no fim das contas, tudo passa. Não é uma questão de buscar sentido na vida, afinal esta, por vezes, insiste em não fazer o menor sentido. É uma questão de apenas viver. Procurar viver da melhor forma possível no tempo que nos é dado. Carpe diem.


Um p.s.: post dedicado à leitora Isabela Diógenes, que me pediu novidades na categoria Fragmentos Musicais ♥ Outro p.s: quando você é apaixonado por Literatura e soma à isso umas boas doses de rock, passa, invariavelmente, a ter um enorme interesse pelas questões humanas.

Recomendados: Conclusões [(aqui no blog) Porque eu falei sobre a passagem dos séculos] Memórias Póstumas de Brás Cubas, em pdf [Porque esse livro é foda, sem mais] Nos meus fones: Pitty [(aqui no blog) Porque foi um dos meus primeiros posts no Jeito Único e hoje eu mencionei uma canção da cantora] 

14 comentários:

  1. Ai meu Deus! Não preciso nem dizer que amei o post né? Não só pela dedicatória, seus textos são sempre maravilhosos e seu gosto musical é demais. Continue assim!

    p.s.: vou ler "Memórias Póstumas de Brás Cubas" o mais rápido possível <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que linda! Muito obrigada! E super recomendo "Memórias Póstumas de Brás Cubas": apesar da escrita do Machado ser meio complicada, às vezes, logo que você pega o jeito ela flui bem e a gente fica encantada com as filosofias loucas que ele põe no livro, nas entrelinhas dos capítulos...

      Excluir
  2. Boa noite Lari.. já me foi muito falado deste livro mas bem citado, a tal preguiça rsrs como não é muito meu tipo de leitura visto que sou mais da poesia ainda não o li.. mas quem sabe lá na frente decido-me por isto..
    a música do kansas é perfeita não é.. sabia ela e muitas outras de cor mas não nasci para ser vocalista..
    sobre a palavra carpe diem eu nunca mais esqueci ela desde o filme sociedade dos poetas mortos que vi e admiro muito por ter sido o filme que impulsionou tudo em mim.. e que hj perde o Robbem não é.. mas assim é a vida.. aproveite o dia.. bjs de boa noite

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente não nasce pra ser vocalista, mas nem liga, né? Porque é meu caso, hahaha! Não faz muito tempo que eu estava aqui em casa, cantando a plenos pulmões na minha linda-voz-não-não-é-bem-assim, quando fui me dar conta que os vizinhos aumentaram o som do rádio deles (que estava tocando outra música) porque eu estava cantando alto demais... Mas dane-se o mundo.

      A propósito, estou doida de vontade de rever "Sociedade dos Poetas Mortos".

      Excluir
    2. Pois é rsrs eu até fiz curso de vocal.. mas estava sempre fora do ritmo da mesma.. e sempre tive a voz limitada.. sou só cantor de banheiro rsrs e baixo ainda por cima.. pra ng achar que e casa de louco rsrs
      mas como tu bem disse.. dane-se né..
      mas somos melhores com palavras..
      sim.. eu tenho o dvd do mesmo.. praticamente decorei o filme.. afinal foi ele que me inspirou.. maravilhoso..
      tenha um lindo dia..

      Excluir
  3. Oi Lari, é meio delicado este post, realmente existe uma revolta interna, ao menos em mim, sobre estas histórias de heróis, afinal, é tudo ponto de vista, meu herói é o terrorista da outra nação e vice-versa, no final é tudo consequência de ambições e ignorância. Mas querendo ou não, este amontoado de sentimentos ruins, possíveis fraquezas que nos deixam vulneráveis as tentações cruéis, são da mais pura natureza humana e é triste saber que em relação a isto, tudo só tende a piorar.

    E acredite, eu não poderia deixar de concordar com o seu Carpe Diem <3 As recomendações foram ótimas e acredito que todos deveriam ler Memórias Póstumas...

    É isso aí, adorei esta leitura.
    Fique bem querida.
    Até mais!
    xoxoxo
    ?!? =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A própria natureza humana, em si, é delicada. Talvez por sermos uma mistura de instintos e desculpas, de amor e ódio. Talvez possamos evoluir ou, talvez, não. Depende do conceito de "evolução" usado. Complicado, né?

      Excluir
  4. Oiiie! Tudo bem?! Se eu lhe disser que eu estou nessa fase! Ensino Médio e ter que ler livros de Literatura, sabe não sou muito acostumada mais to tentando sabe?! Eu vi Mémórias Postumas de Brás Cubas na minha escola essa semana e acho que vou dar uma chance pra ele hehehe.
    Adorei o blog e seu post. <3
    Se quiser conhecer meu blog > Brilliant Diamond | Fan Page

    Beijão!
    -Lari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, xará! Estou ótima, e você? Viu, dê uma chance às Memórias Póstumas de Brás Cubas, sim: uma vez que você pegue o jeito da leitura vai amar viajar pelas linhas de raciocínio do Machado de Assim/Brás Cubas!

      Excluir
  5. Um assunto delicado, inovador e bem-escolhido, Lari. Vamos começar pelo começo. Memórias Póstumas de Brás Cubas não é algo que eu leria pelo nome (o que pode acontecer, às vezes), mas acho que pelo pouco que você falou sobre ele e o trecho no começo da postagem me provocou uma certa curiosidade sobre o livro. Baixarei para ler assim que terminar minha leitura atual, "Caninos Brancos", de Jack London.

    Segunda postagem no dia que leio cuja Pitty/Priscila está inclusa. As três músicas são bem simbólicas, não? Como você disse, as partes sujas são encobertas por fatos e momentos gloriosos. Vivem em uma casa cuja sujeira escondem embaixo do tapete.

    Carpe diem, minha cara.

    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  6. Nossa, este livro parece tão legal! Adorei o post =3 já estou seguindo seu blog, gostei muito daqui!

    starry skies ✰ beijinhos da senhorita Cat

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E é legal mesmo, garanto :)

      Obrigada por seguir, espero te ver por aqui mais vezes, môre ❤

      Excluir
  7. Eu nunca li MP (Memórias Póstumas), apesar de estar na minha lista de leitura obrigatória - que está fazendo com que eu leia Capitães da Areia de Jorge Amado, porém, está na fila - enorme, eu sei, quem me dera conseguir ler tudo que quero nessa vida - mas, ainda assim, os fragmentos por que passo pela internet já são de mais, ainda mais em um post mara como o teu, Lari.
    P.S: Pitty diva, como sempre.
    P.S.S: ver Carpe diem e lembrar de Sociedade dos Poetas Mortos <3

    ResponderExcluir