Uma palavra aleatória me trouxe inspiração

Observador: que tem o hábito de observar; que olha, espectador.

A palavra "observador" foi encontrada numa de minhas folheadas costumeiras no dicionário — sim, tenho hábitos estranhos e não há nada que se possa fazer quanto a isso — e me trouxe uma ideia peculiar: classificar os tipos de observadores que já observei por aí.


Observador-juiz: seguidor assíduo do ofício “Julgar sem conhecer”, esse cidadão acredita que a personalidade das pessoas é limitada, previsível e facilmente detectável através das aparências. Um observador-juiz, por exemplo, vê uma mulher de decote e minissaia e já a denomina como oferecida, vê um garoto com tatuagens e roupas largas e rasgadas na rua e já sente pena por seu destino que, devido a pais omissos, o fez um marginal que mais cedo ou mais tarde acabará na cadeia. O observador-juiz se considera o dono da verdade, e mal percebe o coitado que sua própria verdade é fundada em conceitos fechados e esculpida com senso comum.

Observador-fofoqueiro: é um pouco mais inventivo do que o observador-juiz, porque vai além do julgamento inflexível baseado em uma suposta realidade. Ele tem consciência de que, quanto mais florear o que jura que seus olhos viram, melhor será a reação que causará aos seus ouvintes. Lida com a fofoca como se essa fosse uma mistura de fato com mentira-artística, a “arte” que colore sua própria vida frustrante e sem graça.

Observador-cronista: perscruta o cotidiano tal como um gavião que esquadrinha o mato à procura de uma lebre silvestre, e uma vez que consegue seu flagrante desejado, transforma-o em palavras. Tem o poder de dar ao banal a suavidade da poesia e ao censurável a crítica indispensável. Trabalhando para levar às pessoas uma perspectiva relevante sobre o que as cerca (e que, por vezes, lhes passa despercebido), proporciona-lhes uma reflexão que faz com que cresçam como seres-humanos e é, portanto, mais produtivo do que o observador-fofoqueiro e o observador-juiz.

Observador-umbiguista: vive com o pescoço meio inclinado para baixo, com os olhos voltados para o próprio umbigo. Acredita que o mundo externo é uma projeção feita para ele e, sendo assim, deveria conspirar a seu favor. Como, invariavelmente, conclui que não é bem o que acontece, faz drama, esperneia, acusa os outros de serem mesquinhos demais por não amá-lo e voltarem os olhos para seu umbigo também.

Observador-de-visor: está constantemente com o olhar dirigido ao seu celular, tablet ou computador, atualizando-se com as postagens da galera nas redes sociais e mantendo-os informados com os interesses e desinteresses de sua própria existência. Eventualmente, ergue os olhos do visor a que estavam pregados e volta-os para a lente da câmera embutida no aparelho em questão, seja para tirar uma selfie ou para captar alguma coisa que relanceou por acaso e merece espaço no Instagram.

Observador-fotógrafo: faz melhor uso das lentes de uma câmera do que o observador-de-visor, e acrescenta tanta beleza a um flagrante da rotina corriqueira quanto faria um observador-cronista, um observador-desenhista, um observador-pintor e afins.

Observador-entediado: observa a rua quando é obrigado a ficar no ponto de ônibus esperando condução, observa a fantástica vida dos insetos alados quando na verdade deveria estar estudando fórmulas de Física no livro aberto à sua frente, observa a vida passar diante de seus próprios olhos quando tem preguiça de vivê-la.

Observador-irônico: só observando as burradas alheias e suas consequências... Rindo por dentro.

11 comentários:

  1. Muito bom dia Lari.. muito bela tua postagem.. gosto muito deste ato de observar... acho que não nos deixa tão presos e nos mantém acordados para a vida.. porém tb é verdade que existem muitas maneiras.. hj estou mais centrado.. mas eu era um observador muito critico.. seja para comigo ou para com o que via.. aprendi a acalmar isso em mim.. o que mais se vê pelo menos nos dias de hj é o observador de visor rsrs tá triste isso.. eu observo muito os que vejo para não bater de frente com algum.. semanas atrás tive que saltar da calçada pois uma moça estava com um na altura da cara.. se pelo menos ela batesse em mim e me desse um beijo rsrs mas preferi me retirar para não beijar o celular dela rsrs
    não sei onde vai parar esta doença pela tecnologia.. estão sendo sugados e não querem acordar..
    te desejo um lindo dia bjs e até sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha! Beijar um celular seria tenso, Samuel... E, sabe, concordo contigo. Muitos estão trocando o plano real pelo virtual; é triste, mas é verdade.

      Excluir
  2. Gostei muito do post, é raro encontrar post's assim. Tenho de começar a passar mais pelo teu blog.
    Eu sou observadora, sou bastante observadora. Tive que aprender a observar, visto que as pessoas não se interessam por mim, então o meu "passatempo" passou ser observar as coisas, o que acontece ao meu redor, o que as pessoas fazem, como reagem. É realmente interessante. Passei a ver o mundo de diferente forma, aprendi a ver tanto com os olhos como com os ouvidos.
    Dentro desses observadores que tu descreveste, não sei qual sou. Uma mistura de todos, talvez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é que as pessoas não se interessem por você, é que as pessoas, em sua maioria, andam avoadas. Nosso mundo está cheio de observadores-de-visor e observadores-umbiguistas, que só erguem os olhos para os outros quando lhes convém. Sorte que existem pessoas legais para podermos observar, né?

      Passe mais por aqui, sim, vou amar sua visita!

      Excluir
  3. Uia, que post crocante rs Xá eu falar que não sei o tipo de observador que eu sei... Mas sei que eu observo muito mais do que deveria HAHA e não é por mal, mas eu reparo em tudo, tuuuuudo, sem querer, é torturante as vezes. Uhm mas eu arriscaria dizer que sou o cronista.

    É mais ou menos isso rs
    xoxo
    ugdu =]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então está perfeito porque, como eu disse, o observador-cronista é um dos mais produtivos!

      Excluir
    2. Ai Lari, assim tu me mima rs Mas obrigado <3

      Excluir
  4. Acho que o que mais se enquadra a mim são os observadores cronista e o de visor
    beijo

    http://karinapinheiro.com.br/cronica-parte-3-amantes/

    ResponderExcluir
  5. haha, ri do "Observador-irônico" bem a minha cara, não querendo dizer que sou irônica ( ._.) Mas não vou negar que as vezes - quase sempre - prático este ato rs, mas infelizmente o que mais se encaixa a mim é o "Observador-de-visor" o dia todo estou com meu celular na mão ou em frente ao computador, e isso é muito - muito mesmo - prejudicial, pois a vida que eu tenho aqui na realidade está se desfazendo aos poucos digamos assim, sei que pode parecer um pouco exagerado, mas hoje em dia essa tecnologia é um vício que me afeta um pouco, até me esforço para ficar uns minutos longe do meu celular mas é praticamente impossível... E o pior é que como diz minha mãe - Essa tecnologia toda nos deixa alienados. E tenho que concordar com ela, pois com tudo isso que vemos hoje em dia como "WhatsApp, Instagram, Facebook, Twitter etc, esquecemos que temos uma vida na realidade, e queremos construir uma vida virtual perfeita ou mais ou menos isso. Beijinhos ♥

    www.pumpcolor.com.br

    ResponderExcluir
  6. Esses observadores-de-visor só o que falta é beijar a tela do celular e propor um casamento para o aparelho (que tenso...). Adorei sua observação sobre observadores (?), bem criativo e inovador, como sempre. Gosto dos observadores-cronistas e observadores-fotógrafos, ainda mais porque faço parte desses. Existem vários tipos de observadores por aí.
    Beijos || Unlocked Land ❤

    ResponderExcluir
  7. Bem, você teve uma ótima percepção das personalidades à sua volta, tô até espantada XD

    Acho que sou um pouco do cronista, com o irônico e o entediado.
    Deveria ter o Freud: Aquele que fica observando as outras pessoas e supondo sobre a vida delas, o que estão pensando, para onde estão indo... tentando entender quem nem conhece (porque, as vezes, eu me flagro fazendo isso XD)

    ResponderExcluir