Sensações incomparavelmente incríveis (terceira parte)

"Os que desprezam os pequenos acontecimentos 
nunca farão grandes descobertas. 
Pequenos momentos mudam grandes rotas." [Augusto Cury] 

Sensações incomparavelmente incríveis existem para serem sentidas, vividas, aproveitadas, absorvidas... E, depois, quem sabe, compartilhadas num blog de ideias um tanto quanto peculiares. 


Desfrutar de uma encantadora manhã. Nem sempre eu consigo acordar muito antes das 9h30, e, quando isso acontece, pressupondo-se que fui obrigada a acordar cedo, é raro que eu sequer repare de que cor está o céu. Mas é tão maravilhoso quando tudo acontece pela minha vontade interior! Quando EU decido levantar da cama tão logo quanto o Sol desponte por detrás das montanhas e os pássaros despertem, animados, quando EU decido apreciar o primeiro café com leite do dia na certeza de que ele está sendo apreciado no horário ideal, quando EU abro as janelas para sentir uma brisa suave tocando minha pele e fazendo meus cabelos dançarem em torno do meu rosto...

Ok, isto aqui é uma "lista esquisita", então acho que posso deixar de lado as heranças do Romantismo... Minhas lembranças das manhãs em que acordei cedo por desejo próprio têm um número infinitamente menor do que as manhãs em que, devido às aulas, eu saía da cama às 5h30, já que minha escola ficava na cidade ao lado, e lá eu permanecia até depois das 17h, chegando em casa por volta das 19h. Essa rotina puxada durou quatro anos, e costumava ter seu nível de dificuldade aumentado quando chegava o inverno. Mas aí entra de novo o desfrute das manhãs encantadoras: não é como se eu ficasse muito feliz quando o Sol nascia, porque, nessas horas, o frio ironicamente piorava; o que se dava é que, depois de sofrer com os dedos gelados e caligrafia ruim durante as duas primeiras aulas, não havia coisa melhor do que ouvir o sinal do intervalo, correr para o pátio e me sentar debaixo do Sol por uns quinze minutinhos. O fato de que o sinal batia outra vez tão repentinamente que nem dava para “pegar uma corzinha”, além das minhas bochechas avermelhadas, nem estragava a sensação. Sério.

Ganhar um abraço. Há algo melhor do que receber de presente um abraço aquecido e meio apertado, com gosto de saudade, gratidão ou amor, e que nos deixa de rastro um aroma único é uma sensação incomparavelmente incrível?

Estourar plástico-bolha. Na verdade, meu próximo item seria “Fazer uma boa ação”, mas achei melhor deixá-lo para outra vez porque esta já está ficando fofinha demais. Regra número 1: minhas listas esquisitas devem honrar o nome com o qual foram batizadas.

Pois bem: estourar plástico-bolha não é saudável se você fica obcecado pela coisa. Não só porque, uma vez com o tal plástico em mãos, os seus 40 minutos seguintes serão desperdiçados com o incessante plic, plic dos vasinhos de ar sendo esvaziados sem piedade. Não... O vício pode se estender a estágios mais graves.

— Filha, o carteiro acabou de entregar sua encomenda do celular com câmera 10MP, processador 1.6 GHz, memória interna de 16Gb, design inovador e mais as capinhas de brinde.
— AI, MEU DEUS, VEIO PLÁSTICO-BOLHA???

Regra número 2: invariavelmente, minhas listas esquisitas são hiperbólicas.

8 comentários:

  1. concordo com a tua lista. acho que eu adicionaria ser convidada pra uma festa infantil com muita coxinha sendo servida, tomar um banho quente depois de um dia frio e cansativo e quando A Música da sua vida toca numa festa e você tá lá cantando com todo mundo <3

    guardeihipoteses.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Lari..poxa.. e mesmo com a dificuldade se faz com a vontade interna de crescer cada vez mais.. minha cidade é pequena.. tudo fácil, mas realmente quem tem que recorrer a uma rotina assim ganha ainda mais força..
    quanto ao abraço, sem dúvida é o melhor que se pode dar e receber..
    eu quase não recebi ele na minha infância e adolescência.. vindo somente a sentir o verdadeiro abraço no curso de reiki.. maravilhoso por sinal...
    o plástico bolha até eu me meto a estourar, quem não faz né..
    bjs de bom dia

    Lapidando Versos

    ResponderExcluir
  3. Ei ei ei, xá eu falar... Estava a pouco tempo comentando sobre levantar cedo. Sabe, em Curitiba está um frio delicioso, com sol brilhando forte e céu aberto, amo acordar super cedo nestas manhãs e ir ao mercado municipal tomar um chazinho, ler um livro e conversar, observar a cidade, as pessoas aqui ficam mais alegre no inverno, esquisito, não? Enfim, abraços, isso é viciante rs e quanto ao plástico bolha, eu mantenho distância, pois se eu me aproximo, não paro enquanto não estourar quase nada mais rs

    Isso ai!
    xoxoxoxo

    ResponderExcluir
  4. jkjhakjhsjs, qual é o problema de coisas hiperbólicas? São as melhores! Me identifiquei muito com essa postagens, por motivos de amar estourar plásticos bolha, e faz muito tempo que não o faço! jkhakjhsas; Além disso, eu desfruto do mesmo prazer em acordar cedo e apenas olhar para o céu e observar as cores se transformando em um azul puro. Adorei a postagem!

    ACESSO PERMITIDO: ♥
    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Estourar plástico de bolha <33333333333
    São tantas sensações boas na vida, mas nem prestamos atenção, e depois só resta saudade...
    Amo quando passa minha música favorita no rádio! hahaha.

    Beijos.
    Senhorita Imperfeita

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde querida Larissa..
    acabei de mandar uma lembrança em teu email.. confira lá..
    espero que goste
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Cara,
    Existe alguma forma de não amar plásticos bolha? Dizer que as pequenas são as melhores sensações pode parecer clichê (e é!), mas não tem verdade maior. Concordei muito com as que você escolheu, mas cá entre nós, aquele comentário de uma leitora, dizendo que adorou o que você escreveu e que se viu nas tuas palavras, também faz um bem danado, né?

    Beijo, Mariana Nascimento
    sendopeculiar.blogspot.com

    ResponderExcluir