O barulho da batalha (Antes que comece a aula)

O barulho disperso no ar
A incitar a agitação
Professor tentando falar
Os alunos sem dar atenção

No meio ressoam as risadas
Das piadas vindas do fundo
Nos extremos, fofocas afobadas
Sobre a vida de todo mundo

O professor vai ficando enfezado...
O coitado até muda de cor
Do invisível ao avermelhado
Com as orelhas soltando vapor

Berrando abafa a farra infernal
E com moral, sente-se triunfante
Mas não era aquela a batalha final
Pois um bravo grupo resistia falante

Então pega o diário de classe
Em face do gesto da oposição cínica
Com a ameaça resolve o impasse:
O grupo não quer perder nota em Química



Sala de aula e a turma tocando o terror. Normal, jovens não conseguem manter reservas de energia por muito tempo. Precisam extravasá-las a todo momento. E nessas batalhas intermináveis onde alunos e professores se enfrentam com tanto empenho, o final é sempre meio previsível: professores saem vencedores porque têm armas extras, como o poder de arrancar nota, mandar indivíduos para fora da sala, gritar numa altura que quase faz a alma dos alunos saírem do corpo, etc, etc, etc. Mas noutro dia a batalha recomeça, porque a luta mesmo nunca chega ao fim... E deveria algum dia chegar? Porque, bem... eu até entendo o lado dos professores, mas sentiria falta das piadas animando cada começo de aula e livrando todos da monotonia do silêncio absoluto...!

10 comentários:

  1. Perfeito Larissa.. muito bom mesmo o poema sobre um tema que facilmente é observado e é bem o que acontece..
    no meu tempo a coisa já era preta.. a gente teve que pintar a parede toda da sala por cada um fazer símbolos da banda que curtia.. dai tu já viu né.. eu com o van halen.. e vinha junto acdc, kiss, metalica, iron maiden.. só coisa boa..
    e para finalizar cadeiras voando do terceiro andar, não de minha parte pq eu quase nunca estava na aula.. matava aula para escrever em algum canto da cidade..
    faz parte né.. beijos e até sempre poetisa

    ResponderExcluir
  2. Um poema que retrata a verdade. É sempre assim, todos os dias que vou há escola é assim: no princípio nós (os alunos) ficam falando e divertindo-se um pouco mas passado um tempo o professor(a) começa a gritar e a ameaçar. Acho que vai ser sempre assim, nunca irá acabar porque é aquele momento de transição de intervalo/aula.
    Não costumo ser muito fã de poemas, mas adorei o teu ><

    ResponderExcluir
  3. Poesia perfeita, Larissa, criativa e bem realista, rs. É a realidade comum das salas de aula, entre professores e alunos. Eu já fico no meu cantinho, na frente, quietinha durante a aula - na maioria das vezes, há exceções, rs - mas é bem assim mesmo. E não que eu concorde com bagunça, mas... sucumbir a monotonia rotineira de certas aulas não é opção, né? Felizmente alguns de meus professores gostam de um ambiente mais legal, então, não é preciso nem bagunça nem quietude. Equilíbrio, apenas, rs.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  4. A poesia ficou super legal e verdadeira e eu acho que isso realmente já aconteceu com todo mundo que já foi aluno um dia, mas eu realmente não gosto dessas 'pequenas' batalhas, e acho horrível a falta de educação de muitas delas, mas uma brincadeirinha de vez em quando não faz mal a ninguém!

    Beijos, INconvencional!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Lari :))

    RÁ! Esse poema ficou muito bom rs e sem falar que me lembrou os velhos tempos, principalmente as segundas feiras, que eram o inferno para os professores, todo mundo falando, eufórico, conversas em dia e um turbilhão de coisas.

    Ficou lindão! Isso aí!
    xoxoxo
    UGDU

    ResponderExcluir
  6. Esse poema ficou fofo! :3 E concordo com o fato do final. Vejo o lado do professor e sei que o que ele quer é ensinar e quer, claro que todos prestem atenção nos ensinamentos dele, mas quando algum aluno metido resolve contar uma piadinha, ou o que é pior (pros professores, melhor pra gente) é quando alguém resolve discutir com o professor, e fica aquele empasse de "Óohs" pra todo lado. hauhauhsahs' >.<'
    A escola é o único lugar que acontecem essas coisas, e apesar de tudo é impossível não gostar.
    Sel do Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
  7. Haha! Me diverti bastante com esse poema :D
    Acho que professor é uma das poucas profissões que pessoas fazem por amor e não por dinheiro, porque né...

    Beijos Lari! | arquitetodemundos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa, bem legal! Gostei bastante, haha. Achei bem divertido de se ler, sabe? Até soltei umas risadinhas! Além de ter me lembrado cada aluno da minha sala, hduahgsdghsa. E é realmente assim! Hahaha.

    P.S: Gostaria de pedir permissão para postar seus textos e poemas no meu tumblr e, óbvio, com os devidos créditos. Se você permitir, pode ter certeza que sempre que eu postar algum, estarei lhe avisando aqui, para que você possa ver os créditos e tudo mais! (: Acho seus textos ótimos!


    vitoriando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que pode amore, e me avise sempre, sim, porque vou adorar conferir! E aqui aproveito para dizer que seu elogio me deixou pra lá de contente ♥

      Excluir
  9. Isso tudo é realidade :) Não é pra rir, masss... Bom, tem que rir. Realmente nós somos impossíveis e na hora que o professor ameaça diminuir os pontos na média: todos se calam. Continuam admirando muitos seus poemas, Lari. Parabéns! Beijo!
    rafa, do d-atilografando.blogspot.com

    ResponderExcluir