A culpa que não tinha culpa

Ele passa perto dela de cabeça baixa porque tem medo de encará-la. Não quer se ver refletido naqueles olhos tão azuis... Eles podiam hipnotizá-lo. Petrificá-lo como se pertencessem a Medusa. Afogá-lo como se fossem de Capitu.

Ele não olha para trás porque não quer demonstrar fraqueza. Já perdera aquele jogo para os mais diversos adversários. Primeiro, para a crença no destino, que gargalhou em sua cara. Segundo, para a oportunidade que veio, mas veio na hora mais inoportuna. Terceiro, para o beijo que para ela foi só um beijo. Depois, para o clichê de que "O problema é comigo, não com você". Também teve o Eduardo, mas ele preferia não lembrar de Eduardo para não ter pensamentos psicopatas em relação ao babaca-fura-olho-filho-duma...-mãe do Eduardo. Era melhor dizer para si mesmo que a culpa era apenas sua por tê-la amado sem que ela o amasse de volta. Mesmo que ele tivesse tentado conquistá-la de todas as formas: as possíveis, as impossíveis e as que ultrapassavam definições.

Ele segue em frente porque ainda é muito moço. De passo em passo alcança o tempo, de tempo em tempo amadurece. Cresce. E com sorte até se esquece.

11 comentários:

  1. Esse post realmente mexeu comigo, é muito bonito, o texto. Principalmente os trocadilhos/rimas que aparecem de vez em quando.
    Esse rapaz do texto não tem muita sorte, perdeu para umas cinco coisas, mas é a vida, não é? O texto me fez refletir um pouco sobre isso...
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Lari.. dentre tuas palavras me vi, pq quando era novo era bem assim.. faltava coragem para olhar, parar estar próximo.. tudo era medo e isso nos prende dentro de nós mesmos.. a vida nos ensina muito .. bjs e uma linda noite moça querida

    ResponderExcluir
  3. Eu me identifiquei muito com o menino do texto. Eu sempre amo e perco para diversos adversários. Perco pelo fato de agir como ajo. Sou diferente das outras meninas, sou apenas uma adolescente de 16 anos que ama ler e que pretende estudar muito na vida em uma faculdade de medicina. Dessa forma, eu evito pensar nele, pois namora. Certo dia, o vi com a namorada! Foi terrível! Mas, como você disse, eu sigo em frente porque ainda sou muito moça. De passo em passo alcança o tempo, de tempo em tempo amadurece. Cresce. E com sorte até esquece... :) Tem post novo lá no Blog, já viu? Passa lá e comenta o que achou! Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Lari, juro que acho que esses últimos textos você está escrevendo diretamente para mim! Me faz refletir tanto sobre o dilema que está sendo ter "Roma ao contrário" por outro alguém na minha vida novamente. 2014 promete ser cheio de mudanças, espero que pra melhor!

    ED e ET

    ResponderExcluir
  5. E o pior ñ vai ser a unica vez que isso acontece.

    ResponderExcluir
  6. "[...] de tempo em tempo amadurece. Cresce. E com sorte até esquece." Final fechado com chave de ouro e com direito até as mais sinceras rimas.
    Obs: li o conto todo ouvindo Eduardo e Mônica, de forma que cada parágrafo me fazia imaginar eles dois, aí, depois, me aparece um tal de Eduardo na história. Juro que isso foi um tanto estranho! Mas os personagens da história devem ter tido seu final feliz. Tal como a música diz. Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  7. "Ele segue em frente porque ainda é muito moço. De passo em passo alcança o tempo, de tempo em tempo amadurece."
    Sabia que gosto de ler clássicos? Pois bem, este pedaço me lembrou um ótimo clássico, como também me lembrou de sua Web série.
    Eu sei, sou estranha.

    ResponderExcluir
  8. Lari, Lari, minha pequena (?, ou nem tanto) poeta moderna.
    Sei lá, esse texto só não mexeu mais comigo, porque, recentemente, eu fui a garota do: "problema é comigo, não com você, sabe? Você é legal pra caramba, vai achar alguém logo, mas que não será eu" - cruel, mas verdade.
    O amor é idiota. Sabe aquele amigo idiota que as vezes te dá raiva e, ao mesmo tempo, é aquele que mais te faz rir? É assim que o vejo. Porém, ser sincero é a melhor forma de lidar com ele, mesmo que isso signifique machucar alguém.
    Pelo menos, nesse mundo, não existe dor que dure para sempre.

    P.S: O Eduardo deve ser muito bonito, hein...

    ResponderExcluir
  9. Sou fã de teus textos, adorei este em especial.
    Mas, para ser sincera, em minha vida preciso dele. Se ela não está querendo ele, eu quero, eu preciso, eu necessito. Na verdade, o ruim da vida é que enquanto umas tem e não dão valor, outras se sentem sozinhas e carentes por não terem. Cara, como a vida é cruel e desgraçad* às vezes, mas fazer o que?! Levanta a cabeça e bola pra frente pois ele não pode ficar muito tempo de cabeça baixa, faz mal para a auto-estima.

    OBS: adoro o blog, mas realmente não tenho condições de visitar diariamente. Poderia inserir a opção de "seguir por e-mail" ali na lateral? É que acompanho meus blogs favoritos pela newsletter. E quando o fizer, por favor, me avisa?

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro, pode deixar que eu providencio esta opção (e lhe aviso depois) ♥

      Excluir
  10. Ai, Lari, que coisa mais linda...
    Eu sou ridiculamente chata com textos, mas é incrível, eu AMO tudo o que você escreve. De verdade. Todas as suas palavras me atingem, eu amo muito mesmo.
    Esse garoto esquece, assim como todo mundo esquece, por mais que não ache ser possível esquecer :) A vida é assim, perdas e ganhos o tempo todo.
    Beijão <3

    http://penny-lane-blog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir