Terceira correspondência para Dona Inconstância

18 de janeiro de 2014, sábado (um dia antes) — narrando o drama da vez

Há quanto tempo não nos correspondemos, não é mesmo, Dona Inconstância? Isso porque, de certa forma, você tem mantido sua presença bem próxima a mim, de modo que é impossível sentir sua falta. Entretanto, não a culpo. Assumo as consequências de ser um imã abominável que atrai, simultaneamente, sentimentos de dois extremos diferentes.

Se não lhe escrevo por saudade, o faço por necessidade. A partir do momento em que você me tornou tão confusa, passou a ser a única capaz de me entender. O problema é seu. Meus problemas são seus. E o drama da vez é o recomeço que se estende à minha frente. Não o recomeço que veio com a virada do ano, porque esta me pareceu mais como uma extensão das férias ou a última chamada para engordar nas Festas. Refiro-me ao recomeço das aulas. Parece patético, eu sei, ainda mais para uma garota que está a meio passo de terminar o Ensino Médio. Acontece que, apesar da minha personagem literária preferida de todos os tempos ser Pollyanna, não consigo me inspirar nela tanto quanto gostaria e sou uma perfeita pessimista para a idade. Resultado? Fico imaginando 1001 formas diferentes de me meter em situações exageradamente constrangedoras durante o ano letivo. Não que eu tenha motivos para me meter em alguma dessas 1001 formas-situações, porém posso ser criativa o suficiente para inventá-los ou, pior, concretizá-los

Chegando ao fim desta carta comecei a pensar bem e... percebi que foi uma péssima ideia recorrer a você. Eu devia ter escrito para Dona Coragem, ou Dona Vergonha Na Cara, ou mesmo Dona Mantenha o Foda-se Ligado Por Toda a Eternidade e Além.

Quer saber? Deixe para lá. E espero que não possamos nos ver em breve.

9 comentários:

  1. Não vi as outras correspondências, mas achei a ideia super legal e a carta está ótima, as outras Donas estão de férias, continua escrevendo pra ela u-u

    interesses-sutis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ah... já quase me sinto nostálgica ao ler "de terminar o ensino médio". haha Mas gente... Meu medo em relação ao colégio, era sempre e só com as notas. No caso do Ensino Médio. Eu tremia era ao pensar que podia odiar algum professor. Por exemplo, eu vou começar algo completamente novo em minha vida: a universidade. E o meu medo? Ah, é só de não ter o perfil do curso que eu escolhi ou não suportar a pressão e outras n coisas que são pessoais demais (e nem postaria em meu blog).
    Te indicaria a Dona Coragem, viu? Escreva pra ela. Eu meio que conversei com ela e deu certo. Meu pessimismo tem diminuído a cada dia. Tenho lutado para me tornar mais otimista, mas tem me dado ótimos resultados. E com a inconstância? Ah... um dia acostuma. Só é chato quando se escuta "você é complicada" haha Beijão.

    ResponderExcluir
  3. Não vi as outras cartas, (se houver outras, mas eu vou procurar!), mas essa ficou muito legal, e a ideia mais ainda!

    Beijos, INconvencional!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Lari.. poxa.. muito bacana a ideia de falar de coisas que estão sempre presentes em nossos dias.. medo, coragem, tristeza.. dariam muitas cartas..
    imagina eu que estou a falar das doenças em forma de versos...é bem trabalhoso, mas acho que numa poesia posso mostrar as duas faces a da cura e o como se chega a uma.. logo postarei uma que fala da que todos temem.. espero que gostem.. bjs de bom dia

    ResponderExcluir
  5. Ooown, depois de ler esse texto fiquei morrendo de vontade de ser sua amiga! Sério!
    Minha personagem literária (junto com meu livro favorito) é Pollyanna! Muito amor por esse livro, essa menina! Ano letivo também me deixa inconstante, desconfiada, receiosa. Não sei o que esse ano me reservou, mas eu tenho medo de tudo e assumo. Tenho medo de correr riscos, mas tenho medo de não correr e ficar na minha vida igual. 2014 pode ser bom, ruim ou, até mesmo, inconstante. Qualquer que seja eu só quero os bons momentos! Espero que eles cheguem logo para mim e para você!

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Eu não li as primeiras correspondências, porém estou encantado com a carta e vejo que também estou enviando muitas cartas à Dona Inconstância, um tanto quanto desnecessário. E muito obrigado por ter participado do debate lá no blog, adorei sua opinião!

    Abraços, seguindo
    http://www.revolucaonerd.com/

    ResponderExcluir
  7. Eu preciso ser sua amiga! Hahaha Tem post novo lá no Blog, já viu? Passa lá e comenta o que achou! Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu simplesmente amo suas correspondências para Dona Inconstância e até imagino uma mulher, que seria exatamente uma mulher e sim um "nada" ou uma transição de estado, sentada em uma poltrona, tomando um café, enquanto lê a sua correspondência...

    ResponderExcluir
  9. Olá Lari,
    Quando a gente tem uma compatibilidade com uma pessoa, até em livro dá pra combinar HAHA! Mas é isso aí! Pollyanna foi o livro que marcou a minha infância.

    E o texto me fez lembrar que eu ando escrevendo mais cartas para Dona Inconstância do que eu posso me lembrar. Porém, tomei um chá com a Dona Coragem e consegui me restabelecer. O Ensino Médio foi feito para deixar os jovens ainda mais pilhados do que já somos. Pôr um estágio, entre o ensino infantil e a universidade tem com objetivo, preparar-nos, porém, pode soar muitas vezes como um alerta, no estilo "tá vendo? tá ruim, mas isso ainda vai piorar".

    Pessimismo nada Pollyannesco à parte, estamos sempre tentando entender e deixando a vida conduzir o que deveríamos estar comandando. Seu texto me leu. Não tenho mais o que dizer.

    Beijos, Mari.
    SPeculiar.

    ResponderExcluir