O que chamar de amor?

Para todos os efeitos, seria mais fácil concordar com uma senhora experiente da minha família que disse em certa ocasião: “Não acredito no amor entre um homem e uma mulher... Isso é papo furado. Não existe. O que existe, talvez, é uma amizade forte que nasce na convivência, no casamento, e o sexo, que é uma necessidade fisiológica dos casais”. Não teimei. Por não ter condições de teimar. O que eu diria? O fato de eu ainda ser jovem e de nenhum dos meus romances ter evoluído a ponto de significar um bom argumento não me daria chance alguma de ganhar a discussão. Sem mencionar aquilo de que os mais velhos sempre têm razão.

Agora, dizer que aquilo saiu da minha cabeça... seria uma grande mentira.

Cada um enxerga a realidade através de uma janela própria e muito particular. Por isso que, mesmo vivendo em uma morada comum, podemos encarar os dilemas da vida por ângulos diferentes. As vistas privilegiadas e as paisagens desérticas são apenas conceitos, estes formados por uma mistura de tradição, vivência, aprendizado e influências externas. A grande novidade do dia? É você, portanto, que manipula o que vê da sua janela. Para não fugir do assunto inicial: é você quem decide se o amor existe ou não.

Está na duvida? Agarre-se nas cortinas, suba no beiral e pule da tal janela, sem medo da queda. Guarde seus velhos conceitos na mochila e deixe espaço para colecionar alguns novos. Eu não posso lhe dizer se você encontrará o que chamam de amor, mas garanto que encontrará o que chamar de amor. Parece confuso, não? E é.

Conselho dado, siga em frente. Alguém lhe informará o caminho e você nunca saberá se é a direção certa, porque, nesta vida, querer um guia turístico cheio de certezas sobre a mesma — rá!  é desprezar a chance de viver.

Eu estou nessa. Vira e mexe me distraio com uns conselhos aqui e ali, tropeço em meu próprio orgulho e perco-me nos tais becos sem saída — que, na boa, sempre têm uma saída , mas permaneço procurando vestígios de sonhos apaixonados. Não segundo os filmes, não segundo os mais velhos, não segundo tudo o que já falaram e deixaram de falar. Segundo (e seguindo) a mim mesma, porque, como já disse, acredito que amores impossíveis só são impossíveis para quem não quer acreditar.

Ainda vou mudar de opinião mil e quinhentas vezes sobre este mesmo assunto, o amor. Mas, por enquanto, se eu estiver errada... deixe por conta do tempo. Ele trará a minha lição.

9 comentários:

  1. Ual, você escreve muitíssimo bem, meus parabéns, adorei o texto, suas palavras contagiam...

    XOXO

    julia-nopaisdasmaravilhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei o seu texto Lari. Eu também não cheguei a uma conclusão certa de O que é o amor, mas isso muda com o tempo. Por exemplo, quando eu era pequena odiava os garotos, na minha sala tinha apenas um menina, o Thiago eu acho, e ele era meu melhor amigo. Já na 3 série tinha um pouco de nojo deles, e agora convivo normalmente com eles, mas sem encontrar ninguém de especial, mas tarde quando encontrar vou mudar a opinião novamente uehueh.
    Beijos, adorei o seu texto (novamente) <33
    http://shake-de-morango.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amei!Que palavras lindas!
    http://mundopequenoo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Mais uma vez, suas palavras dominam o clima, Lari, e provocam mais reflexões do que parecem - porque, se tem uma coisa que você sabe fazer quando escrever, é ir de um assunto a outro, e digo isso de uma forma positiva; você cria uma conexão entre diferentes contextos que, no fim, viram parte de um único conceito. E eu também gostei muito de, principalmente, saber um pouco da sua perspectiva do amor; nesse caso, acredito que eu, por minha vez, nem preciso dizer o que penso, não? Acho que meus textos ou frases mínimas já deixam isso claro, e é por isso que gostei tanto da sua frase "acredito que amores impossíveis só são impossíveis para quem não quer acreditar." E eu definitivamente acredito nesses amores, sem sombra de dúvidas.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  5. Eu acho que nunca saberá ao certo o que é o amor... Talvez seja algo tão grandioso que não dê para definir em palavras... Lindas palavras... Tem post novo lá no Blog, já viu? Passa lá e comenta o que achou! Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Essa postagem está definitivamente dentre as minhas favoritas. Melhor frase... "Cada um enxerga a realidade através de uma janela própria e muito particular." Até postei isso no tt, claro que com créditos. Concordo completamente.

    ACESSO PERMITIDO: No twitter.
    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo! Realmente, cada um decide se o amor existe ou não, mas as pessoas precisam abrir os olhos se realmente quiserem enxergar algo. Eu acredito no amor, sempre acreditei, e sempre vou acreditar. Não acho que seja algo a se questionar. Todo mundo sabe que qualquer indivíduo carrega amor em seus corações. (menos os que maltratam animais).
    Hey, estou seguindo aqui - se gostar do meu blog - poderia retribuir?
    Beijos!

    interesses-sutis.blogspot.com - Projeto: Faça o seu diário-blog!

    ResponderExcluir
  8. Hey, Lari!
    Texto incrível! Mas é seu, né? Não poderia deixar a desejar jamais! :3
    Uma tia minha uma vez disse a mesma coisa: "o amor não existe". Mas se a gente pensar assim, é como jogar um balde de água naquele foguinho de esperança que existe no coração... E eu não queria fazer isso exatamente agora... Se o amor não existir mesmo, eu prefiro descobrir sozinha, quebrando a cara, daqui a muitos anos, para poder concluir o "amor não existe" por experiência própria, e não por ouvir dizer...
    Mas mesmo assim, se isso acontecer comigo, meu conselho de vovó será sempre: "procure o amor. Vai que ele está aí procurando por você?"
    *me empolguei ><*
    hauahahahhauhauha
    Beijão!!

    http://penny-lane-blog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Adorei seu texto.
    Realmente, cada um tem sua opinião e visão sobre o mundo, e não podemos negar ou falar quem está certo ou errado.
    Sou do tipo que não sabe ao certo se acredita ou não.
    Só posso dizer que, até o momento, não existiram muitos motivos para acreditar no "amor".
    No momento, a minha frase é: "Amor só de mãe, flw".

    Relaxa, eu mudo de opinião igual mudo de roupa. Tenho uma mente muito aberta e sempre escuto outros pontos de vista. Quem se condena a somente uma perspectiva, acredito eu, vive em um mundo quadrado e parado.
    Não sou do tipo que curte ser um vegetal.

    ResponderExcluir