Humores sempre mudam (terceira parte)

Tive 1 577 200 variações emocionais desde que postei a segunda parte de Humores sempre mudam, mas nem assim veio a vergonha na cara para dar continuidade à lista. É que, justamente por eu ser tão volúvel, fui perdendo com o tempo a empolgação que me motivou a trazer a ideia para cá... Sorte que eu havia guardado o rascunho com o resto dos “itens-humores”! Sendo assim, estou trazendo a terceira e última parte — e me livrando do peso na consciência de deixar um projeto pela metade.


O pássaro verde voando por aí. Há momentos em que o ditado “Parece que ela viu o passarinho verde” finalmente ganha vez: momentos de risada bêbada, largada e sem motivo. HAHAHA. Essa risada não faz sentido no contexto, não é mesmo? HAHAHA, nem ligo. É mais ou menos assim que a coisa funciona. Uma chatice risonha que irrita mais do que contagia.

O tempo é sagrado. “Ai, Meu Deus, como as horas passam rápido! Tanto, tanto a ser feito... E tão pouco tempo... Concentre-se. Faça tudo de uma vez. Não, melhor fazer uma coisa de cada vez, só que rápido. Argh, tanto faz, desde que você dê conta dos afazeres, para ontem! Vamos, vamos...!”

(* para esse humor, há duas serventias: ele serve para quando realmente faço o dia render, e serve para quando tento fazer o dia render, mas a afobação é tanta que acabo não rendendo porcaria nenhuma e fico extremamente frustrada por isso)

Viva a poesia que é viver. Quando minha “sensibilidade poética” fica tão ativa que parece que bebi chá de cogumelo com capim, e até um pernilongo vira protagonista de versos sentimentais. (“Oh, pernilongo, cuja canção desperta meu sono e revela tua sede sangrenta e perversa!”)

Ninguém me entende, poxa! Choro, choro, choro... Porque o mundo é cruel, ninguém se importa com meus sentimentos, ninguém me ama, ninguém me quer, e a vida parece um fardo pesado demais, eu desejo que tudo se exploda de uma vez, porque ninguém me entende, e nunca vai entender. Malvados! Egoístas! Olhem para mim! Eu existo! Mas não importa, porque ninguém se importa, ninguém me ama, ninguém me quer...

Admitam: trechos desse discurso melodramático e cheio de autopiedade já foram usados por vocês também, né? Sejam berrados aos quatros ventos ou abafados pelo travesseiro encharcado de lágrimas amargas, fazem parte da vida de qualquer adolescente. Vamos ilustrar o parágrafo com música emotiva: "Você já se sentiu como se estivesse desmoronando? Você já se sentiu deslocado? Como se você não se encaixasse e ninguém te entendesse?" [Welcome To My Life, Simple Plan]



Hmm, aquele cara olhou para mim... Autoconfiança faz bem para qualquer garota. Mas, às vezes, vem em doses exageradas, o que faz com eu me sinta, por alguns (breves) segundos, a rainha da cocada preta. Aí, se um cidadão que estiver passeando numa boa pela rua simplesmente olhar para mim, eu já penso: “Ai, ai, ai, foi à primeira vista. U omi gostô. Será que vai me pedir em casamento agora ou vai fazer um suspense? Quem sabe ele piche uma declaração de amor lá no muro em frente à minha casa, de modo a ir me conquistando aos pouquinhos e...” (E eu descubro que o cidadão tem namorada. E que o olhar que ele lança para ela sim, é repleto de paixão.) Diz aí: quem nunca?

Droga, aquele cara olhou para mim. Esse humor, além de mais frequente, funciona inversamente ao anterior: quando a autoconfiança está tão baixa que, se um cara simplesmente olhar para mim, eu já penso que há algo de errado comigo: ou meus dentes estão sujos, ou meu cabelo está todo arrepiado, ou minhas olheiras estão sinistras demais, ou minha pele está cheia de espinhas...

Inspiração é a vida. Amo, amo, amo inspiração! Faz a gente escrever posts compriiiiidos mesmo quando não era essa a intenção. Vocês sabem... foi o caso deste post.

6 comentários:

  1. “Oh, pernilongo, cuja canção desperta meu sono e revela tua sede sangrenta e perversa!” Profundo... Achei até petróleo, hehe (eu e minhas tentativas falhadas de fazer piada.)
    Creio que oque mais acontece comigo é o tal do Pássaro verde voando por aí, e algumas vezes (ambos) do 'Garoto que olhou pra mim'. As vezes sinto como se fosse algo bom, as vezes nem tanto...

    Beijo ! Waking

    ResponderExcluir
  2. Eu sinceramente gostei bastante desse projeto. De todos humores da minha vida, os que mais gosto são os inspiradores e alegres. Mas as vezes mergulho na escuridão também, admito.

    ACESSO PERMITIDO: Antítese.
    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se você responde a tags, mas te indiquei em uma lá no Acesso Permitido. o/
      http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/p/presente.html

      Excluir
  3. Ah, esse do tal "pássaro verde" acontece comigo nos piores momentos, mas é a primeira vez que leio essa expressão, sério! É divertido de ler esses humores, pena que chegou ao fim, hahah

    ED e ET

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog, anjo! Falando em blog, tem post novo no "Gostos de Uma Adolescente", já conferiu? Não? Dá uma passadinha lá e deixa o seu comentário! Beijos <3 http://gostosdeadolescentes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Só o título já me define; o post todo me define, meu humor vive mudando, e tem dessas fases. O tópico "Viva a poesia que é viver" me fez rir figurativamente! O "Ninguém me entende, poxa!" é a minha cara, vivo ou vivia reclamando, só que não é assim que deve ser. "Hmm, aquele cara olhou para mim... ": cara, eu sempre penso que tem algo errado comigo, sei lá, ou seja, acontece mais o "Droga, aquele cara olhou para mim.", eu tenho um sério problema com autoconfiança, não a tenho na maior parte do tempo. Me definiu bastante, tudo!
    P.S.:Amo essa música Welcome to my life, aliás amo Simple Plan, as músicas deles são ótimas! :) E tem tudo haver com aquele tópico.

    Beijos, Estante de Sonhos ~♥

    ResponderExcluir