Segunda correspondência para Dona Inconstância

06 de novembro de 2013, quarta-feira — apelando para que alguém me ouça

Já tem um bom tempo que venho querendo falar... Acontece que, ultimamente, ninguém anda querendo me ouvir. Ninguém mesmo. Não é como se alguém pudesse ligar para o que eu penso, de qualquer forma, e até certo ponto eu posso aceitar isso com uma naturalidade impressionante. Porque, até certo ponto, minha vida não é tão interessante quanto eu gostaria que fosse e não costumo inventar mentiras para provar o contrário. Logo, sobram-me duas opções: brincar de ser conselheira durante os desabafos alheios, já que os outros sempre têm algo a contar, ou trancar-me em um mundo pessoal, a fim de que o silêncio me permita criar histórias  ao contrário das mentiras, que fingem ser o que não são, histórias são histórias e nada mais. Com qual das opções eu fico? Com as duas.

Sabe, Dona Inconstância... não quero que você sinta pena de mim. Pena é um sentimento ruim. Também não quero parecer triste, porque só sou triste às vezes. E, às vezes, também sou frustrada. E frustrante. E ingênua, e egoísta, e teimosa. Sou tudo e acabo não sendo nada. E daí? Ouvi dizer que ser nada já é ser alguma coisa. E, aqui entre a gente, ainda serei muito mais...

8 comentários:

  1. Texto simplesmente maravilhoso, adorei. Bjs

    http://asgarotasdonl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Sabe Lari, eu sou tão inconstante que penso que as vezes eu e a insconstância nos fundimos, rs.
    As vezes quero que alguém realmente me ouça e em outras prefiro que continuem surdos aos meus devaneios...
    A natureza humana é cheia de complexidades!

    Jhosy

    ResponderExcluir
  3. Ai amei Lari, muito bom! Me identifiquei muito, ninguém quer nos ouvir, então apelo para as palavras ♥
    Beijinhos,
    Nati,
    http://nataliascholze.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Acho que no mundo existe mais pessoas que querem ser ouvida do que ouvir, e isso faz com que as pessoas que querem ouvir se torne extinta. Não posso reclamar, pois vivo nunca constância necessidade de ser ouvida, e tenho muitas pessoas ao meu lado que podem me ouvir, porém não sei expressar, então ninguém vai entender mesmo e deixo por isso.
    Me identifiquei muito com seus texto, como sempre muito lindo!

    ResponderExcluir
  5. Achei muito bacana a maneira como quis nos passar seus pensamentos. Como uma espécie de desabafo, mas bem articulo e parecido com um diário. ADOREI. Acho importante, nós mesmos pararmos e tentarmos nos ouvir. <3

    ACESSO PERMITIDO. :3
    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu sou assim, bem assim. Sem por nem tirar. Psicologa alheia é quase uma profissão para mim, e isso irrita as vezes, fico frustrada e nervosa.

    ResponderExcluir
  7. Ah, que incrível! :3 Esses textos em forma de carta são lindos, transmitem tudo o que você tá pensando, parece até que você tá contando pra gente! ^^
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
  8. Ok menina, á cada dia eu me me fascino ainda mais por tua escrita...
    Eu realmente gostaria de saber me expressar com as palavras desta forma...
    Beijos :3

    ResponderExcluir