Ao ar livre e com a magia dos telões

Meu namorado vai ter que me levar a um cinema drive-in. Só que antes eu preciso arranjar o namorado... Bem, e depois vou precisar arranjar o cinema drive-in.

Cinema drive-in, para quem não sabe, é aquele no qual o filme é transmitido ao ar livre, em uma espécie de estacionamento. Isso clareou a memória, não? Porque eu garanto que em alguma cena sessentinha/setentinha da TV ou mesmo em fotos de revistas e sites inspiradores, você já deve ter visto algo parecido com um casal fofo  pausa para topetes, jaquetas de couro, vestido rodado e um suspiro do tipo “OMG, I'm so retro!”  assistindo a uma comédia romântica em cima do capô do carro enquanto trocam uns beijos no decorrer do longa. Pelo menos esta é minha visão idealizada da coisa.

A ideia surgiu quando o americano Richard M. Hollingshead Jr., pensando em uma solução para que sua mãe (que sofria de obesidade e não cabia nos assentos convencionais de uma sala de cinema) pudesse assistir a um filme com a mesma "magia do telões", colocou-a em um carro e transmitiu para ela a imagem projetada em dois lençóis presos às árvores do jardim. O negócio deu certo e em 1933 Hollingshead inaugurou, em Nova Jersey, o primeiro cinema drive-in, com o anúncio: "Toda família é bem-vinda, sem importar quão barulhentas sejam as crianças". A proposta era prática e logo ganhou a atenção do público, fazendo com que a moda eclodisse de vez no final dos anos 60.

Aí era realizado o desejo de ter mais liberdade que nos cinemas comuns: nestes, você mal pode tossir que já incomoda o cidadão mais próximo. Mas a partir do momento que está dentro do seu carro, você pode fazer o que quiser, certo? Conversar, atender o celular, levar um animal de estimação, fumar, beber e, para os mais “safadinhos e abusados”, até otras cositas mas...

A boa do dia é que tem um desses cinemas ainda em funcionamento em Brasília. Pelo que li, o estacionamento com capacidade para cerca de 500 carros tem um clima mais familiar e é a escolha certa para quem está buscando uma opção diferente de lazer. Os filmes transmitidos não são lançamentos. Outro detalhe é que não há lanchonetes espalhadas pelos cantos: você acende o farol em luz baixa (já que qualquer claridade mais forte pode atrapalhar a transmissão no telão) e um garçom vem anotar seu pedido  o que, se vocês querem saber, eu achei o máximo. Ah, tem mais: para ouvir os sons, os telespectadores sintonizam o rádio do carro em uma estação FM específica, podendo, dessa forma, aumentar ou abaixar o volume quando quiserem.


Na hora do almoço, eu comentei, na cozinha, sobre o cinema drive-in com um ar todo de menininha esperta, e acabei descobrindo que o "véio" do meu pai era frequentador desse tipo de lugar...

Pai: Hmm, eu já fui num desses.
Eu: Sério?
Pai: Sim, muitas vezes.
Eu: Que jeito que era? Você ia sozinho ou com alguém?
Pai: Geralmente eu levava alguma namorada.
Eu: E os filmes eram legais?
Pai: (risada suspeita e maléfica) Hã, filme? Que filme?
Eu: ...!

8 comentários:

  1. Eu ri muito com o seu post.
    Quando eu arranjar um namorado ( estou na mesma situação que você), vou ''mandar'' a gente procurar feito louco no Ceará, acho que vai ser difícil mas vou achar ou não .
    Nunca iria saber que o surgimento foi por tais motivos ''gordos''.
    Amei o seu dialogo com seu pai principalmente na hora da risada suspeita e maléfica.
    Bezo
    trocandoosbotoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Sempre quis ir n'um desses... O Diálogo no final foi muito hilário. UEUHAUEHE
    Eu, francamente, acho bem mais interessante ver os filmes ao ar livre que em uma sala trancada cheia de ar-condicionados... Mas pena que eu nunca vi nenhum por aqui. Gostaria muito de visitar algum dia.

    Beijos <3 Uma outra estação

    ResponderExcluir
  3. Okay, o comentário do seu pai foi muito revelador kkkkk
    Gente eu sou apaixonado por drive-in, só que antes eu não sabia o nome e agora - graças a diva, linda, perfeita e inspiradora Lari - eu sei. :)

    "OMG, I'm so retro!" Saias rodadas, topetes, jaquetas de couro, romance, ficar na capota do carro, anos 60/70 os melhores anos tanto da moda quanto do romance/cinema. Tem como não amar?

    I'll be back again... Garoto Impulsivo

    ResponderExcluir
  4. Eu também sempre tive vontade de ir num desses, mas eu acho que nem meus pais foram em um. Cinema comum já é puro amor, imagina estar no próprio carro com a sua privacidade? Deve ser incrível! E o melhor, é que a gente pode levar pipoca de casa e não ter que vender a alma (exagerando~) pra comprar um pote de pipoca, haha!
    Já entendi tudo nessa risada suspeita e maléfica do seu pai! haha ><'
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
  5. Sabe, sempre quis ir em algum lugar assim. Fico imaginando o quão bom deve ser assistir um filme dentro de um carro, e por mais que o conforto não seja dos melhores, deve valer á pena. E só pelo fato do garçom vir anotar o nosso pedido, já é outra coisa.

    Adorei o diálogo com seu pai, também, Lari! E o mais engraçado é isso: na época deles, existia essas coisas que a gente sonha de conhecer um dia, por exemplo, minha mãe sempre conta que ia ao cinema todo o domingo com as minhas tias, e já eu e minha irmã, fomos somente quatro vezes no cinema. Isso porque, sabe, o cinema fica a duas horas da minha cidade, que é um ovo, e nem isso tem.

    O que eu quis dizer é que acho que nossos pais aproveitaram sua vida de uma forma bem melhor... e só de pensar no passado deles, tenho de dizer, que por mais que não existisse tecnologia, eles viveram de uma forma bem aconchegante. Talvez mais aconchegante do que o mundo vive hoje. Amei o post! Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  6. Grease ♡
    Eu adorei o post Lari! Sabe, eu sempre quis saber como era um cinema drive-in, parece ser muito legal e você me esclareceu bastante curiosidades haha Quem sabe algum dia eu não encontro um por ai?
    E é uma coisa tão perfeita e tão retro, amei!
    xoxo

    - Califórnia Girl ♡

    ResponderExcluir
  7. haha (rindo do final do post)

    nossa dei uma viajem legal agora, Lari. O melhor de tudo foi saber que existe algo do tipo aqui no Brasil (pena que longe da minha humilde residência), curti mesmo.
    A história da origem da coisa foi uma surpresa, eu conjecturei que o cara tinha tido a ideia pra facilitar com a namorada ou algo assim, mas não, foi pra mãe! haha
    quem diria.

    Ananda Maciel ∞

    ResponderExcluir
  8. Adorei a postagem.
    Não conhecia a história do cinema drive in, mas já vi em diversos filmes.
    O diálogo com seu pai fechou com chave de ouro haha
    http://www.viciodiario.com/

    ResponderExcluir