Primeira correspondência para Dona Inconstância

03 de outubro de 2013, quinta-feira  refletindo sobre minhas próprias "metamor-fases"

Sabe, Dona Inconstância... Nesses dias eu estive refletindo sobre meus diários antigos. E sobre os motivos que fizeram com que eu parasse de escrevê-los. Para começar, relatar meus dias é monótono. Não me refiro a rotinas, refiro-me a circunstâncias. Diários foram feitos para guardar segredos. Os meus não me condenam, contudo... hmm, em essência podem ser bem constrangedores, por isso não precisam mais ser ressaltados em letras garranchadas e rasuradas como já foram em tempos de pré-adolescência. Concordo que a transição foi pequena: dos treze aos quinze, daqui a pouco aos dezessete e além. Acontece que, na minha idade, diário vira coisa antiquada. Falta tempo para narrar a vida. Às vezes, até acho que falta vida para narrar o tempo. Coisa doida. O fato é que os tais diários antigos vão parar numa caixa no alto do guarda-roupa, e se algum foi interrompido pela metade tem o resto de suas folhas servindo de rascunho para um texto qualquer.

Se relatar meus dias é monótono, descrever pessoas é cansativo. Credo, pessoas mudam. Desnecessário narrar as mudanças alheias que interferem direta ou indiretamente na minha vida quando as mesmas, por um motivo que só Deus sabe, podem me incomodar tanto. Além do quê, tenho minhas próprias "metamor-fases" para servirem de preocupação. E de ocupação. Perde o sentido, então, ficar relatando secretamente essas lembranças que evaporam na hora em que deito na cama e fechos os olhos. Essas saídas a passeio, essas brigas com os pais, essas notas perdidas, esses beijos sem sentimento. Se as lembranças forem boas ou no mínimo relevantes, não precisam ser transformadas em palavras para serem inesquecíveis a quem pertencem, mesmo que quem gosta de escrever o faça para não perder a força do hábito  e do hobbie.

Sendo sincera? Não sei por que um dia mantive um caderno para reclamar do quanto ninguém me entendia, quando é tão mais produtivo eu mesma tentar me entender.

O lance da vez são os diários egoístas. Diários egoístas guardam sentimentos inexplicáveis, guardam momentos implícitos, guardam poesias que não pedem interpretação. Diários egoístas não se importam com coordenadas, horários, segundos e terceiros. Diários egoístas não correm o risco de serem descobertos por algum curioso que queira desvendar certos mistérios, pois eles não são protegidos com cadeados: são protegidos por metáforas sutis e mais alguma coisa que só diz respeito ao conhecimento do "proprietário"... E são egoístas justamente por não repartirem emoções com ninguém. Ninguém mesmo.

Sabe, Dona Inconstância... os diários egoístas são meus próprios pensamentos.

11 comentários:

  1. Eu nunca consegui - mas já tentei - escrever um diário. Simplesmente me enchia todo de felicidade pra começar o caderno, mas no quinto dia já estava enjoado, e acabava desistindo. Por que escrever sobre a minha monótona vida, sobre como odeio certas pessoas e o que comi no café-da-manhã se ninguém vai ler isso? Certas coisas não seriam legais de se lembrar no futuro... =/

    >> blog-espelhodigital.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. ''Sabe, Dona Inconstância... Is diários egoístas são meus própios pensamentos.''
    Parabéns, Lari. Ótimo texto. Sério, tem futuro pra carreira de escritora u.u

    Beijos,
    http://blog-uma-outra-estacao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Também nunca consegui escrever em um diário. Tanta monotonia, que acho que se eu mesmo encontrasse o diário após alguns anos nem me interessaria em ler. Se ter um diário, significa relatar tudo que está sentindo, não funciona comigo. Os momentos felizes, eu acumulo, e as tristezas esqueço, ou pelo menos tento esquecer.
    Não é justo desmatar pra escrever meras bobagens em várias folhas de papel que serão esquecidas um dia.
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir
  4. Eu usei muito diário, mas não sei dizer o que aconteceu com eles. Todos sumiram.
    Esses dias, enquanto via umas caixas de mudança, encontrei um diário de 1999, foi muito legal ler as coisas que eu escrevia aos 9 aninhos. kkkkk

    ResponderExcluir
  5. Eu comecei a escrever num diário esse ano, estou adorando mesmo, é quase uma terapia, às vezes acho que é a minha forma de orar.

    Eu entendi tudo o que você quis dizer sobre esse hábito antiquado, mas está sendo bom para mim e recomendo para qualquer pessoa. Não escrevo todos os dias, só quando acontece algo notório ou quando estou inspirada, em fim, é bom.

    Continuo admirando seu jeito único de escrever. Abraços!
    http://srtamaciel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Identificação total, Lari! Tenho uns quatro diários com umas duas frases escritas e um de quando tinha seis anos, no qual relatava todos os presentes de Natal que ganhava. O legal dos diários - quando se fala de alguém que escreve o dia-a-dia, todo os dias, mas não é o meu caso - é que eles podem guardar além de tudo o que você disse acima, a inocência... Beijos, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  7. Eu tentava escrever textos que vinham em minha mente, mas como uma mera criança inocente, eu criava apenas historinhas bestas e desenhos sem sentido, e isto não era tão animador assim. Só sei que no meio da semana meu diário estava com dez folhas sobrando, de tanto que eu arrancava as páginas, devido aos textos horríveis que encontrava *3* Bom, acho que se eu fosse uma estrela do rock, uma poeta que sabe escrever poesia, ou uma super-heroína, até seria legal escrever sobre minhas aventuras e canções que criaria, mas como apenas uma garota normal ficava na monotonia huhu'
    Impossível não se identificar com o texto Lari!! Principalmente no terceiro parágrafo, o meu trecho predileto :3

    Bjs
    http://paradise-of-madness.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Adoreei ;)
    http://espacoteencomanaliasantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Sabe, grande parte das histórias que aparecem lá no blog eu tiro dos meus diários antigos. Eu sempre amei escrever e pra mim escrever diário sempre foi automático, me sinto meio estranha sem um diário. Engraçado isso, eu sou completamente o oposto dos eu post. Eu gosto de descrever as pessoas e as situações, até as ruins. E os diários da adolescencia dão uma vontade louca de rir.
    Seu blgo tá lindo
    Tem post novo lá no blog *-* e ele agora tem twitter ( UHUL) segue lá @torresaamanda
    Beijos
    barradosno-baile.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Uau, Lari. Estou sem palavras. Quero dizer, você escreveu verdadeira e intensamente. A realidade é que todas essas metáforas que criamos, poemas e pensamentos, são apenas meios de tentarmos entender toda essa bagunça.
    Beijos♥

    ResponderExcluir
  11. Quando é que você vai deixar de ser diva com as palavras??
    Cara, tô sem palavras!

    ResponderExcluir