Capítulo IV: Importante como uma irmã

“Celeste faleceu já faz quase um ano.”

“Celeste fa-le-ceu já faz quase um ano.”

“Celeste faleceu já faz quase um ano!”

A frase que eu acabara de ouvir ficou ressoando em minha cabeça por mais uns bons segundos. Segundos que, na verdade, pareciam séculos. Aquilo não fazia sentido. Juro que eu teria caído na risada e perguntado qual era a piada se a expressão de Rafael não estivesse tão séria, e se Felipe não tivesse se colocado ao meu lado em seguida, prestes a me segurar se eu desmaiasse.

Quando finalmente voltei a mim, afirmei:

— Não, não pode ser. Alguém teria me avisado se Celeste tivesse morrido.

— É meio complicado... — disse Rafael — A única pessoa próxima a Celeste que conheci foi a mãe dela. Bem, e eu achei que ela tivesse dado a notícia à sua parte da família.

— E onde está ela? Digo, a mãe de Celeste? — perguntou Vanessa, entrando no assunto.

— Mudou-se recentemente — disse Rafael. — Voltou para São Paulo a fim de superar a morte da filha. Eu também teria arrumado minhas malas e saído da fazenda na primeira oportunidade assim que soube que a pessoa que eu mais amei na vida nunca mais iria acordar ao meu lado, mas a obrigação me prende aqui.

Fiquei tentando imaginar que tipo de obrigação o prendia ali. Claro que a Fazenda Bernardes Gomes ia muito além da cerca que estava à minha frente, mas acho que já era para eu ter enxergado um gado pastando, uma criação de porcos, uma grande plantação de milho ou qualquer outra coisa desse tipo. Porém... nada. O que o lugar tinha de imenso, tinha de vazio. Apenas o casarão à frente e outra casinha bem mais distante, provavelmente uma espécie de celeiro. Pensei em questioná-lo, mas não encontrei nenhuma forma de fazê-lo que não acabasse parecendo um julgamento enxerido. Além disso, não era um bom momento.

— Que mal lhe pergunte, mas que tipo de obrigação? — perguntou Felipe.

É. Meu namorado parecia não dar muita importância para os bons modos em ocasiões como aquela.

— Acho que isso não é da sua conta — respondeu Rafael, com o olhar firme em Felipe.

Senti o clima esquentar, e eu não gostava daquilo. Para completar, Vanessa soltou um assovio perplexo, como quem quer "botar lenha na fogueira". Fuzilei-a com os olhos, mas quem percebeu meu gesto foi Paulo. Ele entendeu na hora, e resolveu finalmente assumir uma posição no grupo e tomar controle da situação. A forma que encontrou de fazer isso foi mudar de assunto, tocando num ponto importante:

— Galera, sem querer ser chato nem nada, mas o que a gente faz agora?

Eu não consegui pensar em nenhuma resposta inteligente, até porque meus pensamentos ainda estavam desorganizados à beça com minha recente descoberta.

— Simples, — disse Vanessa — a gente entra no carro e vai embora.

— Não, que isso. Vocês já ficaram um bom tempo na estrada, então acho que devem entrar um pouco para descansar. Venham. A Francisca, minha empregada, está quase terminando o almoço. — disse Rafael.

Mesmo que ninguém do nosso grupo se sentisse à vontade com a ideia, não dava para negar: estávamos com muita, muita fome. Havíamos feito pouco mais de três horas de viagem com apenas duas paradas, e tudo o que havíamos comido eram biscoitos industrializados.

Então, logo nos deparamos na cozinha da Fazenda Bernardes Gomes. A contragosto de Felipe, que só concordou em entrar depois que lhe dei um beijo no rosto e pedi que ele fizesse aquilo por mim. Além da necessidade de matar a fome, passar mais tempo com Rafael era a oportunidade perfeita para esclarecer um turbilhão de dúvidas que ainda girava em minha cabeça a respeito da morte de Celeste. Portanto, não demorei muito a perguntar:

— Olha, Rafael, eu não queria ficar remexendo no passado, pois imagino o quanto essa história toda tem sido difícil para você. Porém, entenda que ela era minha prima. Prima em segundo grau, mas, mesmo com a distância nos últimos anos, importante como uma irmã. Portanto, me conte isso direito. Como Celeste morreu?

Nesse momento, Francisca, que vinha trazendo uma pilha de pratos para mesa a fim de servir o almoço, soltou uma espécie de suspiro seguido de um sobressalto, e derrubou tudo com um barulho estrondoso, chamando a atenção de todos para ela.

11 comentários:

  1. É, pelo jeito essa turma vai ter muito o que enfrentar de mistério nessa fazenda. Estou bem curiosa para saber mais sobre o que aconteceu com a Celeste, e, claro, depois dessa reação da empregada, já é bem óbvio que mais e mais mistérios pairam no ar... =X Ansiosa!
    Beijos...

    ♥ SammySacional.blogspot.com ♥
    ♥ DandoUmaDeEscritora.blogspot.com ♥

    ResponderExcluir
  2. Ai que incrível, pena ter que esperar mais uma semana. Depois dessa webnovela, a felicidade do domingo é esperar por um novo capítulo! \õ/
    A pergunta que fica no ar é: Como Celeste morreu? ~mistério~
    Enfim, estou ansiosa! :O
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas
    Unicórnio com Bigode

    ResponderExcluir
  3. Adorei, escreve muito bem! Já vou ter que caçar os anteriores e esperar o próximo!!!!

    ResponderExcluir
  4. Você escreve muito bem, sua forma de desenrolar o texto e dialogar, parabém. Gostei muito dessa parte, mas não li as outras ainda então só vou comentar sobre a história quando lê-la desde o inicio, ta? Ai volto e opino só sobre o conto. haha

    http://denovomaisumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. :O Sinto uma treta/mistério por trás dessa história kkkkkkkkk

    Quero só ver. Se não tem pasto, gado, nem nada, que obrigação? Curioso aqui.
    Adorei o capitulo.

    garotoimpulsivo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. É impressionante como cada capítulo desperta mais curiosidade e mais desejo da continuação da web série. Estou simplesmente apaixonada por toda essa história, Lari! Lembro que no post que você fez contando que traria uma web série pro Jeito Único você citou que teriam cerca de 30 capítulos, o único problema é que não sei se vou aguentar todos serem postados. Agora a afirmação que tenho que te dizer é que Perto do Nada está ficando cada vez mais interessante e que você, literalmente, tem muito jeito pra coisa! Parabéns querida - hm, acho que essa frase vai ficar popularmente conhecida entre os comentários dos novos capítulos da web série. Beijos amore, Light As The Breeze

    ResponderExcluir
  7. Geeente socorro *0* kkk' sempre deixando o final com um "gostinho" de quer mais né Lari? u-u Esse Rafael esconde algo, algo que eu estou louca para saber *-* e essa tal de Francisca, sei não hem, muito estranha a reação dela kkkk' amo isso u-u lol bjs Lari <3

    uma-quase-perfeita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Tô cada vez mais sua fã! Vc além de muito inteligente e expressiva é muito criativa! Parabens viu, bjo ♥

    ResponderExcluir
  9. Uau. O que aconteceu? Você adora matar a gente de curiosidade, Lari. Que maldade, haha. Preciso dizer que a Vanessa é minha personagem predileta até o momento- e a Manu, claro. Adoro o jeito dela(=
    Beijos♥
    http://menina-do-sol.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Lari e sua mania de nos deixar matando por mais. TT-TT
    Estou adorando a história, de verdade. E tô morrendo de curiosidade para saber de tudo isso. A Celeste morreu, ninguém quer falar nada. Comassim a mãe dela não falou disso antes?! Oo
    Bem, o jeito é esperar o domingo chegar, certo?
    Beeijos. :*

    bookaddictedblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Rafael x Felipe
    eu pressenti isso, eu sabia... :(
    Felipe tem que ficar com a Manu (só que que tou vendo a possibilidade da Manu com o Rafael??!)

    Ananda Maciel ∞

    ResponderExcluir